Imprensa livre e independente
11 de junho de 2019, 15h26

Gilmar Mendes afirma que revelações da Vaza Jato poderiam, sim, ser usadas como prova

O magistrado usou um exemplo para explicar sua posição a respeito: “Se uma pessoa foi condenada por assassinato e aparece uma prova ilegal que comprova claramente que a condenação é equivocada, e ela não é autora do crime, deve-se considerar essa prova válida”.

Gilmar Mendes. Foto: José Cruz/Agência Brasil
Vazamentos obtidos de uma forma que a legislação brasileira considera ilegal não podem ser utilizados como prova, certo? “Não necessariamente”, diz um dos mais controversos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal): Gilmar Mendes. Claro que, antes de tudo, é preciso dizer que não há uma certeza sobre a forma como se produziram informações. Portanto, e apesar do que dizem Sérgio Moro e Deltan Dallagnol, não se pode afirmar com certeza que as revelações sobre a Lava Jato trazidas por vazamentos do The Intercept Brasil são fruto de uma ilegalidade. Mas mesmo considerando que assim seja, segundo o ministro Mendes, em...

Vazamentos obtidos de uma forma que a legislação brasileira considera ilegal não podem ser utilizados como prova, certo? “Não necessariamente”, diz um dos mais controversos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal): Gilmar Mendes.

Claro que, antes de tudo, é preciso dizer que não há uma certeza sobre a forma como se produziram informações. Portanto, e apesar do que dizem Sérgio Moro e Deltan Dallagnol, não se pode afirmar com certeza que as revelações sobre a Lava Jato trazidas por vazamentos do The Intercept Brasil são fruto de uma ilegalidade. Mas mesmo considerando que assim seja, segundo o ministro Mendes, em entrevista para a Folha de São Paulo publicada nesta terça-feira (11), os vazamentos podem, sim, valer como prova.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

O magistrado usou um exemplo para explicar sua posição a respeito: “Se uma pessoa foi condenada por assassinato e aparece uma prova ilegal que comprova claramente que a condenação é equivocada, e ela não é autora do crime, deve-se considerar essa prova válida”.

Veja também:  Professora e aluna denunciam mudanças que descaracterizam Mestrado do IPHAN

Para entendemos bem a linha de pensamento do ministro: se uma prova demonstra claramente que uma decisão judicial é equivocada, mesmo que esta seja considerada ilegal, o juiz pode torná-la válida. A Folha afirma que ao menos 2 outros ministros, dos 11 que compõem a Corte, acompanham a posição de Gilmar.

Segundo os professores de direito que comentam a reportagem, os vazamentos em si, se têm origem ilegal, não podem ser usados, mas, sim, podem servir para orientar as apurações sobre os fatos, as quais poderiam produzir, aí sim, provas que seriam usadas de forma legal.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum