31 de agosto de 2018, 09h36

Gleisi: Nem a ditadura proibiu visita de advogados a presos políticos

Em seu perfil no Twitter, a senadora e presidente do PT, Gleisi Hoffmann, criticou a decisão da juíza Carolina Lebbos, responsável pela execução da sentença do ex-presidente Lula em proibi-la de atuar como advogada de Lula 

Em seu perfil no Twitter, a senadora e presidente do PT, Gleisi Hoffmann, criticou a decisão da juíza Carolina Lebbos, responsável pela execução da sentença do ex-presidente Lula em proibi-la de atuar como advogada de Lula.   

“Nem a ditadura militar proibiu advogados de se encontrarem c/presos políticos q representavam. Fui legalmente constituída por Lula como sua advogada p/ atuar na estratégia de defesa junto à Justiça Eleitoral. Tiram do presidente este direito? Se isso não é perseguição é o que???”, escreveu Gleisi na rede social.

Com a decisão da juíza, a senadora e presidente nacional do PT será obrigada a respeitar o horário de visitas e ver Lula somente às quintas-feiras. O despacho de Lebbos também atingiu o tesoureiro do partido, Emídio de Souza.

A juíza ainda pediu uma lista com a relação de todos que visitaram o ex-presidente, incluindo dia e a hora dos encontros.