Cinegnose

por Wilson Ferreira

02 de outubro de 2017, 22h29

Globo vive da crise com sósias de “Os Trapalhões” e “Escolinha do Professor Raimundo”

Parece que o tempo parou ou estamos presos em algum infernal eterno retorno. É essa a sensação ao vermos o canal fechado “Viva” da Globosat: ao assistirmos às reapresentações de novelas e programas de humor dos anos 1980 e 1990 temos uma estranha sensação de atualidade nos personagens, gags e bordões do passado inspirados na crise política e econômica daqueles tempos: desemprego, preconceito, desesperança, corrupção, violência de classes. Tudo continua o mesmo! E para aumentar essa atmosfera de realismo fantástico, agora o canal “Viva” exibe remakes de “Os Trapalhões” e “Escolinha do Professor Raimundo” com atores sósias dos personagens originais revelando uma bizarra dialética: o presente que repete o passado, também recorre aos mesmos bordões e gags anteriormente trágicas, mas que agora ecoam como farsa, fazendo-nos dar amargas risadas pela sensação de que o tempo parece não andar para frente, pelo menos por essas plagas. Mas também revela o “tautismo” da Globo: os Marinhos sabem que o monopólio da emissora está fundamentado na forçada recorrência brasileira da crise e inércia política e econômica.

Assistir ao canal Viva do grupo Globosat é, em primeiro lugar, uma experiência nostálgica. O canal é apresenta principalmente antigas novelas, séries e programas de humor da Rede Globo e GNT – por exemplo, a telenovela Vale Tudo (1988-89), os humorísticos Estados Anysios de Chico City (1991) e Sai de Baixo (1996-2002).

Mas revendo essas produções e relembrando o pano de fundo político e econômico brasileiro da época dessas produções (explorado tanto pela teledramaturgia quanto pelos roteiros humorísticos de cada momento) temos uma surpresa: há uma estranha sensação de atualidade, apesar de serem programas de respectivamente 30, 21 e 27 anos atrás. Temas de telenovelas, gags de humor, bordões etc. poderiam muito bem ser relacionados com o Brasil atual… mas foram atrações exibidas em um país de décadas atrás.

Uma estranha sensação de que o Brasil está parado no tempo ou, no mínimo, prisioneiro em alguma espécie de loop temporal ou num infernal eterno retorno: temas como corrupção, achincalhamento da política, moralismo, intolerância, a síndrome de vira-lata, a niilista ausência de futuro, lamentos sobre a interminável crise, o desemprego etc. 

A mesma sensação de esgotamento, inércia e incapacidade de pensar o futuro, tanto lá em décadas atrás, como aqui, nesse momento em que assistimos essas reapresentações do canal Viva.

E para tornar ainda tudo surreal, criando uma atmosfera de realismo fantástico, o canal agora apresenta remakes de dois programas humorísticos antigos: Os Trapalhões e Escolinha do Professor Raimundo. Mais do que remakes – produções com atores praticamente sósias dos originais, sob a égide de ser uma “respeitosa homenagem” a ícones do passado. 

 

Veja também:  Mais uma vez a mídia dominante entende errado a Venezuela

Atemporalidade bizarra

Estranha dialética: programas que repetem como farsa gags e bordões do passado inspiradas em um País que tanto lá, como aqui, continua com as mesmíssimas mazelas. 

Alguns exemplos dessa bizarra atemporalidade: no Estados Anysios de Chico City de 1991, finalmente o personagem de Chico Anysio, Justo Veríssimo (político populista e corrupto que odeia pobres), chega à presidência no país metafórico do programa (“Estados de Chico City”) cuja abertura mostrava um sósia de Fernando Collor de Melo, presidente naquele momento.

Ele recebe um parlamentar em seu gabinete que traz denúncias de superfaturamento na compra de vacinas. O parlamentar quer medidas para apurar o escândalo, sob pena de não dar a base parlamentar necessária para Justo Veríssimo governar. O presidente promete “SAMnear” os custos das vacinas, e o parlamentar sai feliz. Veríssimo fala para os seus assistentes (familiares, em corriqueiro nepotismo…) que “SAMnear” refere-se não a “sanear”, mas atender às exigências do Tio SAM… 

Estranha atemporalidade num País cujo presidente continua antenado com Tio Sam e preocupado em manter a base parlamentar para se safar da Justiça.

 

Veja também:  Mais uma vez a mídia dominante entende errado a Venezuela

Ou ainda a novela Vale Tudo (1988-89): para além da crítica moralista de que a raiz de toda a crise brasileira estaria na “Lei do Gérson” (levar vantagem em tudo pela corrupção), a novela contrapõe a decadência moral da nação com o “empreendedorismo” (que eu me lembre, esse conceito não existia na época) da honesta Raquel Accioli (Regina Duarte) que, de vendedora de sanduíches nas praias do Rio, virou dona de uma rede de restaurantes industriais.

Atemporalidade brasileira: o destino dos desempregados atuais em virarem “empreendedores” como o caminho honesto (e sem garantias sociais futuras) de um País que “dá certo” e que rejeita a corrupção e o “jeitinho”. Melhor: agora temos maquininhas de crédito e débito, bem diferente de um passado no qual cheques borrachudos infestavam o comércio.

Isso sem falar nos problemas que o autor, Gilberto Braga, teve na época com personagens homossexuais na novela. Nada mudou, 30 anos depois… Apenas ficou mais organizado: se no passado tínhamos esparsas “velhinhas de Taubaté”, hoje temos os jovens universitários do MBL cuja logística é financiada por fundações educacionais privadas.

Em 1988 o “empreendedorismo” também era solução para o País em “Vale Tudo”

 

Veja também:  Mais uma vez a mídia dominante entende errado a Venezuela

Monopólio da Globo precisa da crise

O fato é que as Organizações Globo cresceram e monopolizaram a mídia nacional numa crise econômica e política recorrente que até pode mudar os personagens e as narrativas. Mas a essência continua a mesma: desemprego, inflação, sucateamento do Estado e serviços públicos, a política do imponderável e a apatia política pelo divórcio entre parlamento e nação.

O ar que a Globo respira é o da atmosfera pesada da crise crônica na qual não importa se a audiência caia – o BV (o “Bônus por Volume”) permite que a maior remuneração das agências publicitárias venha da Globo, e não dos seus próprios clientes.

Por exemplo, por décadas a Globo fez de tudo para evitar que a evolução tecnológica colocasse em xeque esse sistema publicitário: nos anos 1970, evitava que os anúncios de televisores mencionassem a existência do controle remoto e, o que seria pior, suas funções; nos anos 1980, os filmes publicitários de aparelhos videocassetes se limitavam a divulgar a função “play” para assistir aos filmes das locadoras – a perigosa função “Rec” e a programação de gravações da TV era esquecida para não ameaçar a recepção cativa à grade de programação da emissora; nos anos 1990, através do modelo NET Brasil da TV por assinatura, as Organizações Globo sentaram no mercado da TV a cabo e satélite, evitando uma expansão do setor que poderia ameaçar a galinha dos ovos de ouro da TV aberta.

>>>>>Continue lendo no Cinegnose>>>>>>>

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum