13 de março de 2018, 19h01

Gol é a primeira companhia aérea do Brasil a ter comissária de bordo trans

Nicole Cavalcante trabalha na função há 8 anos e, quando começou, ainda se apresentava com identidade masculina. Ao longo desse período, se descobriu uma mulher trans, se afastou por um tempo e voltou a voar

Foto: Reprodução/TV UOL

A companhia aérea Gol inovou na última quinta-feira (8), Dia Internacional da Mulher, e formou uma equipe só de mulheres para trabalhar em voos do trecho Rio-São Paulo. Entre essas mulheres, uma ganhou destaque pelo simbolismo da ação: Nicole Cavalcante, uma mulher trans. A primeira mulher trans a atuar como comissária de bordo no Brasil.

Nicole exerce a função de comissária há 8 anos mas, quando começou, ainda se apresentava com a identidade masculina. Durante esse período, se descobriu uma mulher trans, o que foi bem aceito pela empresa, que acompanhou sua transição. Durante um período, trabalhou na área administrativa mas, depois de um tempo, voltou a voar, já se apresentando como mulher.

“Antes de voltar a voar, trabalhei internamente [na área administrativa] porque estava trocando a minha documentação. A empresa ainda estava meio sem saber como fazer porque era o primeiro caso, mas foi tudo feito da melhor forma”, disse Nicole em entrevista ao UOL.

Trans no mercado de trabalho

O caso de Nicole é uma exceção para quem é uma pessoa trans. O mercado de trabalho continua muito fechado para esse público, que normalmente é marginalizado e acaba recorrendo à profissões informais e até mesmo à prostituição. Com o intuito de enfrentar essa exclusão da população T que nos últimos anos foram criadas iniciativas de inserção deste público no mercado de trabalho. Uma delas é a Transempregos. Saiba mais sobre essa realidade e conheça projetos aqui.