Imprensa livre e independente
28 de março de 2019, 13h21

“Golpe de Temer” inspira proposta que pode barrar Mourão

"PEC das Diretas" dá fim a eleição indireta no Congresso e impede que vices assumam governos em definitivo: "antídoto a conspirações", diz deputado Henrique Fontana

Henrique Fontana: proposta vale para presidente, governadores e prefeitos - Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
Inspirado pelo que chama de impeachment fraudulento da ex-presidenta Dilma Rousseff, em momento de enfraquecimento de Jair Bolsonaro, com pública movimentação do vice General Mourão (PRTB) junto ao empresariado brasileiro, o deputado federal Henrique Fontana (PT) apresenta Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que serve como “antídoto a conspirações”, prevendo eleições diretas para todas as ocasiões em que presidentes, governadores ou prefeitos deixarem os cargos. Na prática, o texto, apresentado nesta quinta-feira (27), atribui aos vices o mero papel de substitutos temporários dos titulares, assumindo os governos apenas em casos de viagens ou doenças dos mandatários. “O vice também é votado,...

Inspirado pelo que chama de impeachment fraudulento da ex-presidenta Dilma Rousseff, em momento de enfraquecimento de Jair Bolsonaro, com pública movimentação do vice General Mourão (PRTB) junto ao empresariado brasileiro, o deputado federal Henrique Fontana (PT) apresenta Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que serve como “antídoto a conspirações”, prevendo eleições diretas para todas as ocasiões em que presidentes, governadores ou prefeitos deixarem os cargos.

Na prática, o texto, apresentado nesta quinta-feira (27), atribui aos vices o mero papel de substitutos temporários dos titulares, assumindo os governos apenas em casos de viagens ou doenças dos mandatários.

“O vice também é votado, mas pendurado ao nome do candidato. Portanto, não foi analisado pelo eleitor como foi o titular”, explica Fontana.

Em situações de morte, renúncia ou impeachment, se aprovada a proposta, da qual Paulo Teixeira (PT-SP) é coautor, os eleitores serão convocados às urnas, independentemente do tempo de mandato já desenrolado.

Por essa razão, Fontana batizou a iniciativa de “PEC das Diretas”, Hoje, se o presidente, governadores ou prefeitos deixam em definitivo os cargos, os vices assumem.

Veja também:  Campanha de financiamento do Festival Lula Livre já está no ar

O que muda

No caso do Palácio do Planalto, novas eleições são chamadas apenas se o titular e o vice ficam impedidos de governar nos dois primeiros anos de mandato. Se acontecer na segunda metade da gestão, o Congresso escolhe o presidente a partir de eleições indiretas.

“Estivemos na antessala disso: 513 deputados poderiam substituir o voto de 100 milhões de brasileiros”, alerta o deputado petista, ao se referir a Temer, que correu o risco de ser afastado do cargo.

O texto estipula que, se a saída do governante se der no último ano de seu mandato, a eleição direta será antecipada  e o novo mandatário terá acrescido ao tempo de sua gestão os meses restantes da anterior.

“A PEC tem o componente muito importante, de ser mais um pilar de estabilidade institucional do país. No exemplo mais recente, Michel Temer passou a conspirar, a partir da função de vice, gerando uma cisão dentro do governo e alimentando a crise política que levou a todo esse impasse que estamos vivendo”, pontua Fontana.

Veja também:  Regras jurídicas atuais são insuficientes para combater fake news em eleições, reconhece MPF

Histórico de conspirações

O parlamentar ressalta ainda que o histórico da política brasileira, inclusive nos municípios, reitera a relevância da PEC. “É uma ação preventiva contra a conspiração de vices”, frisando que excetua do rótulo Itamar Franco, então vice de Fernando Collor, que assumiu a presidência após o impeachment do titular.

Sobre a conjuntura atual e as movimentações de Mourão que agravam o enfraquecimento de Bolsonaro, Fontana garante que essa relação não foi o que moveu sua iniciativa – anterior ao atual governo e viabilizada agora –, mas reitera que nenhuma conspiração é positiva para a democracia e que a aprovação de sua proposta pode vir a garantir a manutenção da estabilidade institucional.

Não à toa parlamentar conta que alguns colegas, ao assinarem o texto, brincaram que a iniciativa poderia ser chamada de “PEC Mourão”.

Apoio do PSOL ao PSL

Henrique Fontana acredita na aprovação da PEC – que para ser apresentada exigiu a coleta de assinaturas de 171 deputados. No Plenário, precisará de 308 votos.

“Passamos de 200 assinaturas. Se eu esperasse mais dias, teria boas chances de passar de 300, mas eu queria tramitar logo”, afirma o parlamentar, que revela adesões do PSL de Bolsonaro ao PSOL, passando por PSD, MDB e PP.

Veja também:  Pesquisa Atlas Político aponta: desaprovação de Bolsonaro supera aprovação pela primeira vez

Após apresentado, o texto precisa passar pelos crivos da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e de Comissão Especial antes de ser votado pelos 513 membros da Câmara Federal.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum