28 de novembro de 2018, 14h15

Governo alega “restrições orçamentárias” para não sediar encontro da ONU sobre meio ambiente em 2019

Outra alegação é o "processo de transição" para o novo governo. Ernesto Araújo, futuro ministro de Relações Exteriores de Jair Bolsonaro, acredita que o "alarmismo climático", entre outros temas, são elementos da “ideologia do PT, ou seja, do marxismo, que ainda estão muito presentes no Itamaraty”.

(WWF)

O Ministério de Relações Exteriores emitiu nota nesta terça-feira (27) em que afirma que o Brasil desistiu de sediar a COP25, Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas (ONU), em 2019, alegando “restrições fiscais e orçamentárias”.

“Tendo em vista as atuais restrições fiscais e orçamentárias, que deverão permanecer no futuro próximo, e o processo de transição para a recém-eleita administração, a ser iniciada em 1º de janeiro de 2019, o governo brasileiro viu-se obrigado a retirar sua oferta de sediar a COP 25”, diz a nota, referindo-se à posse de Jair Bolsonaro (PSL) na Presidência da República.

Fórum precisa ter um jornalista em Brasília em 2019. Será que você pode nos ajudar nisso? Clique aqui e saiba mais

Após desistir de fundir o Ministério do Meio Ambiente com o de Agricultura, Bolsonaro ainda busca um ministro – que não seja “xiita” – para a pasta. Crítico à atuação das organizações não governamentais e defendendo a expansão do agronegócio sobre áreas de floresta, o capitão anunciou o chanceler Ernesto Araújo como futuro ministro de Relações Exteriores.

Araújo acredita que o “alarmismo climático” são elementos da “ideologia do PT”, ou seja, do marxismo, que ainda estão muito presentes no Itamaraty”.

Leia comunicado na íntegra:

“O governo brasileiro conduziu análise minuciosa dos requisitos para sediar a COP25. A análise enfocou, em particular, as necessidades financeiras associadas à realização do evento.

Tendo em vista as atuais restrições fiscais e orçamentárias, que deverão permanecer no futuro próximo, e o processo de transição para a recém-eleita administração, a ser iniciada em 1º de janeiro de 2019, o governo brasileiro viu-se obrigado a retirar sua oferta de sediar a COP 25″.

Agora que você chegou ao final desse texto e viu a importância da Fórum, que tal apoiar a criação da sucursal de Brasília? Clique aqui e saiba mais