Imprensa livre e independente
03 de maio de 2019, 20h05

Governo corta 41% do orçamento para manutenção da UFRJ e futuro é incerto

“Sem reversão imediata desse corte, já nas próximas semanas vamos ter problemas graves de manutenção de atividades essenciais, como energia, limpeza, segurança”, disse o reitor Roberto Leher

Foto: UFRJ
A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a maior do país com 65 mil estudantes matriculados, sofreu um duro golpe por parte do governo de Jair Bolsonaro. A direção da instituição anunciou que sofreu um corte de 41% em seu orçamento, o que representa R$ 141 milhões. De acordo com Roberto Leher, reitor da UFRJ, a medida tem tamanha dimensão para a instituição que significa como se “o fim do ano tivesse sido antecipado”. Na terça-feira (30), Abraham Weintraub, ministro da Educação, divulgou que a pasta faria um corte de 30% em todas as universidades federais. Leher afirmou que...

A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a maior do país com 65 mil estudantes matriculados, sofreu um duro golpe por parte do governo de Jair Bolsonaro.

A direção da instituição anunciou que sofreu um corte de 41% em seu orçamento, o que representa R$ 141 milhões. De acordo com Roberto Leher, reitor da UFRJ, a medida tem tamanha dimensão para a instituição que significa como se “o fim do ano tivesse sido antecipado”.

Na terça-feira (30), Abraham Weintraub, ministro da Educação, divulgou que a pasta faria um corte de 30% em todas as universidades federais.

Leher afirmou que as consequências para a instituição podem aparecer nas próximas semanas.

“Como a UFRJ é uma universidade grande e tem um gasto fixo de limpeza maior que as demais, e considerando que ela já vem operando em déficit muito grande, esse bloqueio impede que a UFRJ pague terceirizados”, disse o reitor.

Não há mais recursos para pagar as contas. “Sem reversão imediata desse corte, já nas próximas semanas vamos ter problemas graves de manutenção de atividades essenciais, como energia, limpeza, segurança, e segurança patrimonial. Há possibilidade de interrupção de pesquisa, temos hospitais de ensino que precisam desses recursos”, denunciou Leher.

Veja também:  Derrotado na CCJ e sem apoio popular, decreto de armas volta a ser defendido por Bolsonaro

Desconhecimento

Sobre a afirmação de Weintraub, que acusou a “intolerância de reitores de esquerda”, Leher rebateu. Disse que mostra o desconhecimento de Weintraub da universidade. O ministro tuitou esta semana: “Para quem conhece universidades federais, perguntar sobre tolerância ou pluralidade aos reitores de esquerda faz tanto sentido quanto pedir sugestões sobre doces a diabéticos”.

“Nós estamos ansiosos para conversar com o ministro e apresentar a ele essas instituições. Universidades que estão sob o pensamento único, que são dogmáticas, que adotam formas de pensamento fundamentalista são incapazes de produzir conhecimento. A pujança acadêmica da UFRJ é uma demonstração de que liberdade de pensamento é algo salutar”, ressaltou Leher.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum