Imprensa livre e independente
11 de maio de 2019, 09h17

Governo da Bahia responde em publicidade à censura de Bolsonaro ao vídeo do BB

Se para Bolsonaro a diversidade é motivo de incomodo, para o governo da Bahia é razão de orgulho; assista à campanha

O governo da Bahia divulgou na última quinta-feira (9) uma campanha publicitária em resposta à censura do presidente Jair Bolsonaro ao vídeo do Banco do Brasil (BB). Além de vetar a veiculação da peça, Bolsonaro demitiu o diretor de marketing da instituição. O vídeo do BB que causou polêmica e incomodou o presidente valorizava a diversidade ao trazer atores e atrizes negras, jovens tatuados e com cabelos diferentes. Se para Bolsonaro a diversidade é motivo de incomodo, para o governo da Bahia é razão de orgulho. Na campanha do estado comandado por Rui Costa (PT), com o lema “Aqui é...

O governo da Bahia divulgou na última quinta-feira (9) uma campanha publicitária em resposta à censura do presidente Jair Bolsonaro ao vídeo do Banco do Brasil (BB). Além de vetar a veiculação da peça, Bolsonaro demitiu o diretor de marketing da instituição.

O vídeo do BB que causou polêmica e incomodou o presidente valorizava a diversidade ao trazer atores e atrizes negras, jovens tatuados e com cabelos diferentes.

Se para Bolsonaro a diversidade é motivo de incomodo, para o governo da Bahia é razão de orgulho. Na campanha do estado comandado por Rui Costa (PT), com o lema “Aqui é Bahia, aqui é respeito”, representantes de diferentes segmentos sociais, negros, negras, indígenas e LGBTs compõem a homenagem à pluralidade da sociedade brasileira.

“Baiano, baiana, índio, mestiço, negro, as mina, os mano, as mona, diverso. Aqui é Bahia, aqui é respeito”, diz um trecho do vídeo, que dá protagonismo ainda a pessoas, entre outras, com síndrome de down, tatuadas ou com dreads nos cabelos.

Assista.

Veja também:  VÍDEO: Em programa dos EUA, Glenn diz que áudios foram feitos pelo Whatsapp e Telegram

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum