ASSISTA
02 de agosto de 2015, 12h33

Grupo de amigos se diverte com morador de rua ‘encoleirado’

Foto de grupo de amigos se divertindo com um morador de rua com uma corda no pescoço gerou revolta e discussões no México. Alguns dos envolvidos já pediram demissão dos seus empregos e um inquérito foi aberto para investigar o caso. Um deles é diretor acadêmico de uma universidade.

Foto de grupo de amigos se divertindo com um morador de rua com uma corda no pescoço gerou revolta e discussões no México. Alguns dos envolvidos já pediram demissão dos seus empregos e um inquérito foi aberto para investigar o caso. Um deles é diretor acadêmico de uma universidade

Por Pragmatismo Político*

Uma foto mostrando um grupo de amigos sorridentes e um morador de rua com uma corda no pescoço vem causando revolta no México. A polêmica está gerando discussões sobre a sociedade mexicana e já fez com que alguns dos envolvidos se demitissem. Um inquérito também foi aberto para investigar o caso.

O grupo que aparece na foto divulgou uma carta à comunidade com um pedido de desculpas, dizendo que o morador de rua se aproximou deles para pedir ajuda, já com a corda amarrada.

Um dos que deixou o emprego após o escândalo foi Pedro Quezada Vázques, que aparece à esquerda da foto. Na quarta-feira, ele apresentou sua renúncia como diretor acadêmico da Universidade Xochicalco, uma faculdade particular na cidade.

Uma petição online publicada no site Change.org reuniu mais de 4 mil assinaturas pedindo sua renúncia.

A imagem apareceu pela primeira vez na terça-feira à noite no portal de notícias Plex.

Segundo Ricardo Meza, responsável pelo site, um conhecido do “ambiente governamental” lhe enviou a foto, mas pediu que seu nome não fosse divulgado para evitar represálias. “A foto teve um forte impacto; há uma onda de indignação em todos os níveis”, afirmou Meza.

Em Enseada, o caso revoltou os moradores, e muitos disseram que isso é um reflexo de um mal que impera na sociedade mexicana. Casos como esse não são inéditos no país.

Nos últimos anos, histórias que ficaram conhecidas como “Ladies de Polanco”,”Ladies Profeco” e “Lady Chiles” são exemplos de situações que acabaram gerando polêmica em casos registrando abusos a policiais, empregadas domésticas ou estabelecimentos privados.

Desculpas

Na carta de desculpas públicas divulgada pelo grupo, assinam Pedro, Francisco, Verónica, Mary Medina, Carlos Cruz, Minerva Borja, Lupita Guerrero e Verónica Casillas). Eles afirmam que: “Saindo de um centro noturno havia uma pessoa que já trazia uma corda no pescoço e que estava caminhando pelas ruas e que se aproximou de nós no estado em que se vê na foto, pedindo ajuda. A interpretação que está sendo feita nos meio de comunicação está fora de contexto, já que nunca houve má intenções, muito menos de humilhação, por nenhum dos que aparecem na foto.”

* Com informações de Juan Paullier, de BBC Mundo