Imprensa livre e independente
06 de fevereiro de 2019, 15h48

Grupo feminino de samba-reggae Cores de Aidê explode em Florianópolis e ganha o Brasil

A força do samba-reggae e a ancestralidade feminina se fundem na obra sociopolítica do coletivo de Florianópolis

Foto: Toia Oliveira/Divulgação
Aidê é uma figura mitológica que aparece nos cânticos de capoeira do Brasil. Ela era uma negra africana que foi traficada no período escravocrata do país. Seu “senhorzinho” se apaixona por ela e lhe oferece a liberdade caso ela se case com ele. Aidê recusa e foge para o quilombo de Camugerê, onde encontra o amor verdadeiro. Foi esse lindo conto que inspirou a percussionista e regente Sarah Massí a criar o Cores de Aidê, que é considerado hoje o mais relevante grupo de difusão da cultura afro-brasileira do Sul do país. O grupo surgiu em Florianópolis (SC), no Carnaval...

Aidê é uma figura mitológica que aparece nos cânticos de capoeira do Brasil. Ela era uma negra africana que foi traficada no período escravocrata do país. Seu “senhorzinho” se apaixona por ela e lhe oferece a liberdade caso ela se case com ele. Aidê recusa e foge para o quilombo de Camugerê, onde encontra o amor verdadeiro.

Foi esse lindo conto que inspirou a percussionista e regente Sarah Massí a criar o Cores de Aidê, que é considerado hoje o mais relevante grupo de difusão da cultura afro-brasileira do Sul do país.

O grupo surgiu em Florianópolis (SC), no Carnaval de 2015. Foi o início do sonho de Sarah, que pretendia formar uma banda que agregasse mulheres diversas através da percussão, fazendo-as convergir na compreensão da potência artística e política do samba-reggae.

O Cores de Aidê lançou, em novembro do ano passado, o seu primeiro álbum “Quem é essa mulher?”.

O estilo, como o próprio nome já diz, é uma fusão do samba brasileiro com o reggae jamaicano, criado pelo baiano Neguinho do Samba no final da década de 70 e que tem o grupo Olodum como seu precursor. E o som do grupo nos remete diretamente aos primórdios do Olodum, onde as vozes eram acompanhadas apenas pelos instrumentos de percussão é nada mais.

Veja também:  Homem que atropelou manifestantes no Rio de Janeiro é procurado

Além do caráter afro que o estilo possui, sua retórica originalmente é política e social. E é dessa fonte que bebem as Cores de Aidê, cativas da luta negra contra a inglória e a disputa.

Sarah afirma que é “por meio da Aidê nos vemos representadas por não monetarizar nossos afetos, não capitalizar nossos valores e posicionamentos. Compreendemos que a liberdade está com as nossas e por meio da liberdade de todas e com todas”, conta.

Vale ouvir e dançar ao vigoroso som da banda:

 

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum