26 de janeiro de 2016, 09h46

Grupo reúne assinaturas contra violência policial em manifestações

O respeito ao trabalho de jornalistas, a proibição do uso de armas pela polícia, o fim da criminalização dos movimentos sociais e a crítica em relação à lei anti-terrorismo são algumas das pautas apresentadas no documento; saiba como participar.

O respeito ao trabalho de jornalistas, a proibição do uso de armas pela polícia, o fim da criminalização dos movimentos sociais e a crítica em relação à lei anti-terrorismo são algumas das pautas apresentadas no documento; saiba como participar Por Redação Bombas de efeito moral, gás de pimenta e balas de borracha já se tornaram elementos comuns nas manifestações brasileiras, com o objetivo de proibir os ativistas de exercer o seu livre direito de expressão. Pensando nisso, foi criado um abaixo-assinado para garantir as reivindicações nas ruas de forma pacífica, sem a violência e os abusos policiais presentes em boa...

O respeito ao trabalho de jornalistas, a proibição do uso de armas pela polícia, o fim da criminalização dos movimentos sociais e a crítica em relação à lei anti-terrorismo são algumas das pautas apresentadas no documento; saiba como participar

Por Redação

Bombas de efeito moral, gás de pimenta e balas de borracha já se tornaram elementos comuns nas manifestações brasileiras, com o objetivo de proibir os ativistas de exercer o seu livre direito de expressão. Pensando nisso, foi criado um abaixo-assinado para garantir as reivindicações nas ruas de forma pacífica, sem a violência e os abusos policiais presentes em boa parte dos protestos.

O respeito ao trabalho de jornalistas, a proibição do uso de armas pela polícia, o fim da criminalização dos movimentos sociais e a crítica em relação à lei anti-terrorismo são algumas das pautas apresentadas no documento, assinado por figuras influentes de áreas como sociologia, comunicação, artes, dentre outras.

“É nas ruas que os direitos são epicamente conquistados, desde o direito ao voto, o de realizar greves ou a abolição da escravidão. E é nas ruas que arrancaremos o combate às desigualdades, a reforma das polícias, o fim do extermínio da juventude negra, do etnocídio dos povos indígenas e do encarceramento em massa”, diz o texto.

Para aderir ao abaixo-assinado, intitulado ‘mani-f-esta livre!’, clique aqui.

Foto de capa: Mídia NINJA