13 de outubro de 2018, 10h21

Hackers roubam dados de 29 milhões de usuários do Facebook

Durante os próximos dias, a rede social enviará mensagens aos usuários afetados para explicar que tipo de informações foram obtidas pelos hackers. A empresa afirmou que já corrigiu a falha de segurança.

O Facebook admitiu nesta sexta-feira (12) que hackers roubaram dados de 29 milhões de usuários da rede social. As informações são usadas principalmente para criar perfis psicológicos dos usuários e bombardear com informações que estimulem o consumo de determinados produtos ou mesmo busquem influenciar comportamentos, como tem ocorrido no Brasil durante o processo eleitoral.

Segundo o comunicado, cerca de 15 milhões de usuários tiveram os nomes e as informações de contato (e-mail, número de telefone ou ambos) hackeados. Outros ataques permitiram que os invasores acessassem dados colocados no perfil por 14 milhões de usuários – e muitas vezes não disponibilizados publicamente – como nome, sexo, idioma, estado civil, local de residência, data de nascimento, emprego e nível de instrução.

Os hackers também conseguiram informações sobre os últimos dez lugares que esses internautas tinham visitado na rede social, assim como suas últimas 15 buscas, os aparelhos que usaram para se conectarem ao Facebook e as páginas que seguem.

O Facebook informou que durante os próximos dias enviará mensagens aos usuários afetados para explicar que tipo de informações foram obtidas pelos hackers. A empresa afirmou que já corrigiu a falha de segurança.

Cambridge Analytics
Esse é mais um contratempo para a maior rede social do mundo e os seus mais de 2 bilhões de usuários. Em março, a consultoria britânica Cambridge Analytica foi acusada de acessar informações de 87 milhões de usuários do Facebook no desenvolvimento de técnicas que beneficiaram a campanha eleitoral de Donald Trump em 2016.