22 de outubro de 2018, 19h08

Haddad e FHC conversam ao telefone e concordam sobre democracia estar “em jogo”

O tucano já se posicionou contra Jair Bolsonaro (PSL), mas tem evitado declarar apoio explícito a Fernando Haddad

Foto: Wilson Dias / Agência Brasil

O candidato do PT à presidência, Fernando Haddad, conversou por telefone nesta segunda-feira (22) com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB). A iniciativa partiu do petista, que desde o início do segundo turno vem tentando uma aproximação com o tucano.

Ao jornal Folha de S. Paulo, Haddad relatou que ele e FHC concordaram sobre o fato de a democracia estar “em jogo” neste pleito presidencial. Não houve nenhum acordo relacionado a apoio.

O ex-presidente já demonstrou ser contra os posicionamentos de Jair Bolsonaro (PSL), mas tem evitado explicitar uma declaração de voto como fez a ex-presidenciável Marina Silva ou ainda ex-ministros do tucano.

O telefonema se deu depois da repercussão das declarações de cunho ditatorial de Bolsonaro. Entre outras coisas, o militar da reserva disse quevai cortar verba publicitária da Folha e MST e MTST serão tipificados como terroristas. No domingo, FHC afirmou que as declarações do filho do candidato do PSL, o deputado Eduardo Bolsonaro, sobre fechar o Supremo Tribunal Federal (STF), “cheiram a fascismo”.