14 de dezembro de 2018, 18h29

Internautas compartilham nas redes fotos dos corpos de Marielle e Anderson

De acordo com o PSOL, que acionou o MP contra as pessoas que compartilharam as imagens dos corpos após a execução, está sendo observado o crime de vilipêndio de cadáver, "causando dor e ofendendo a imagem e honra subjetiva dos familiares e amigos"

Perfis de internautas de direita estão, desde quinta-feira (13), compartilhando nas redes sociais fotos dos corpos da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, brutalmente executados no Rio de Janeiro em março deste ano.

Ao menos dois perfis do Twitter espalhara as fotos – que deveriam ser de propriedade da polícia ou dos próprios assassinos – com mensagens em tom jocoso. “Caiu na rede! Marielle Franco levou pouco tiro”, escreveu um. “Oi gente iluminada e super pra frentex que tá fazendo piada com uma mulher que foi estuprada. Queria saber se tá liberado fazer piada daquela presunta lá atrás chamada Marielle Franco ou só é permitida piada com estupro e morte quando são vocês quem fazem”, postou outro perfil.

O partido de Marielle, o PSOL, tomou conhecimento do fato e, nesta sexta-feira (14), protocolou ma representação junto ao Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) pedindo a investigação de dois perfis no Twitter.

Na representação, o partido ressalta que os donos dos perfis, ao publicarem a foto até então desconhecida, estão “supostamente, praticando o crime (vilipêndio de cadáver) tipificado no art. 212 do CP, causando dor e ofendendo a imagem e honra subjetiva dos familiares, amigos e do próprio representante, o PSOL”.

A legenda pediu ao MP-RJ ampla investigação e as consequentes providências penais e civis contra os envolvidos.