Imprensa livre e independente
28 de julho de 2017, 15h36

Intolerância: Grupo de alunos da UEA combinam de agredir LGBTs e comunistas

Grupo de Whatsapp que usa o nome da Universidade do Estado do Amazonas tem membros combinando agressão à comunidade LGBT e militantes de esquerda. “O nome da UEA não pode ser usado para discriminação e preconceito”, afirmou o reitor da universidade, que pediu abertura de investigação  Por Redação  Prints de conversas de Whatsapp mostram alunos da Universidade do Estado do Amazonas combinando de agredir LGBTs e comunistas em Manaus. O grupo, que usa o nome da universidade, é composto de estudantes da Escola Superior de Ciências da Saúde (ESA). “A gente marca um dia da semana para bater em comunista...

Grupo de Whatsapp que usa o nome da Universidade do Estado do Amazonas tem membros combinando agressão à comunidade LGBT e militantes de esquerda. O nome da UEA não pode ser usado para discriminação e preconceito”, afirmou o reitor da universidade, que pediu abertura de investigação 

Por Redação 

Prints de conversas de Whatsapp mostram alunos da Universidade do Estado do Amazonas combinando de agredir LGBTs e comunistas em Manaus. O grupo, que usa o nome da universidade, é composto de estudantes da Escola Superior de Ciências da Saúde (ESA).

“A gente marca um dia da semana para bater em comunista e lgbt na rua”, disse, em uma das conversas, um dos membros do grupo.

As imagens começaram a circular nas redes sociais e o reitor da universidade, Cleinaldo Costa, determinou a abertura de uma investigação sobre o caso. “Sobre as postagens envolvendo afirmações de preconceito, solicito à Direção (da ESA) que envie os prints para o Gabinete para as providências necessárias, que incluem nossa Procuradoria Jurídica e convocação de sindicância para ouvir todos os envolvidos, com amplo direito à defesa e ao exercício do contraditório”, afirmou.

Veja também:  Após "texto bomba", caminhoneiro bolsonarista fala em fechar o Congresso e interditar STF: "11 togados de merda”

De acordo com o reitor, “o nome da UEA não pode ser usado para discriminação e preconceito”.

“Se não for corrigido de pronto, faremos valer a lei”, completou o reitor, em entrevista ao portal A Crítica.

O diretor da ESA, professor Darlisom Souza, por sua vez, confirmou que encaminharia ainda esta semanaprovidências ao Gabinete Geral da UEA.

 

 

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum