Imprensa livre e independente
19 de janeiro de 2019, 12h33

Investigação sobre Queiroz apura lavagem de dinheiro e começou há seis meses

Ministério Público suspeita, ainda, de “ocultação de bens, direitos e valores”, no gabinete de Flávio Bolsonaro

Foto: Reprodução/SBT O caso Fabrício Queiroz, a cada dia, ganha novos contornos, que agravam ainda mais as situações tanto do ex-assessor quanto de Flávio Bolsonaro. A investigação sobre a movimentação financeira de Queiroz teve início há seis meses e tem como um de seus principais objetivos apuração sobre prática de lavagem de dinheiro ou “ocultação de bens, direitos e valores” no gabinete do filho do presidente, de acordo com informações de Constança Rezende, para O Estado de S.Paulo. O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) abriu 22 procedimentos criminais no Legislativo do Rio de Janeiro, baseados em um relatório...

Foto: Reprodução/SBT

O caso Fabrício Queiroz, a cada dia, ganha novos contornos, que agravam ainda mais as situações tanto do ex-assessor quanto de Flávio Bolsonaro. A investigação sobre a movimentação financeira de Queiroz teve início há seis meses e tem como um de seus principais objetivos apuração sobre prática de lavagem de dinheiro ou “ocultação de bens, direitos e valores” no gabinete do filho do presidente, de acordo com informações de Constança Rezende, para O Estado de S.Paulo.

O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) abriu 22 procedimentos criminais no Legislativo do Rio de Janeiro, baseados em um relatório do órgão, que indicou movimentação atípica de funcionários e ex-funcionários da Alerj.

Fórum terá um jornalista em Brasília em 2019. Será que você pode nos ajudar nisso? Clique aqui e saiba mais

O documento foi elaborado por técnicos do Coaf em janeiro de 2018, e anexado aos autos da Operação Furna da Onça. Essa operação prendeu, em novembro do ano passado, dez deputados estaduais do Rio suspeitos de receberem propina.

Veja também:  Inconformados, bolsonaristas criam campanha para deportar Glenn Greenwald

Solicitação

Em 14 de dezembro, o promotor que investiga o caso solicitou que fossem requisitadas informações do Coaf sobre movimentações financeiras de Flávio, de 2007 até hoje. O pedido abrange movimentações de Queiroz e de mais sete funcionários e ex-funcionários do gabinete no mesmo período.

Os arquivos do MP comprovam, ainda, que a investigação sobre o relatório teve início antes da exoneração da filha de Queiroz, Nathalia, citada no documento, do gabinete do então deputado federal Jair Bolsonaro, em 15 de outubro.

Agora que você chegou ao final deste texto e viu a importância da Fórum, que tal apoiar a criação da sucursal de Brasília? Clique aqui e saiba mais

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum