19 de setembro de 2018, 16h08

Ipea: 10% mais ricos respondem por 51,5% da desigualdade no Brasil

Pesquisa ainda constatou que a maior parte dessa contribuição está na metade mais rica do grupo abastado (no 5% do topo), que responde por mais de 45% do índice de desigualdade

Desigualdade Social. Foto: CC/ONU

Um estudo divulgado nesta quarta-feira (19) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) revela que, no Brasil, os 10% mais ricos respondem por 51,5% da desigualdade total. Isso significa que o décimo mais rico dos brasileiros contribui para mais da metade da medida total de desigualdade, percentual maior do que aqueles encontrados em outros países, como Estados Unidos (45%), Alemanha (44%) e Grã-Bretanha (41%).

A pesquisa ainda constatou que a maior parte dessa contribuição está na metade mais rica do grupo abastado (no 5% do topo), que responde por mais de 45% do índice de desigualdade. Segundo o estudo, em 2017, quem recebeu mais do que 5.214 reais por mês estava entre os 10% mais ricos do Brasil.

No estudo, a desigualdade foi medida por um indicador ainda pouco utilizado na literatura socioeconômica, a J-divergência, a partir de dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), entre 1981 e 2015. Segundo os autores, a J-divergência possibilita que se quantifiquem as contribuições de cada indivíduo ou grupo de indivíduos, como os pertencentes a uma faixa de renda.