Imprensa livre e independente
26 de maio de 2018, 13h35

Irlanda aprova aborto em plebiscito histórico

Com boa parte das urnas já apuradas, 67% da população da Irlanda diz sim à legalização do aborto

Mural nas ruas da Irlanda com a foto de Savita Halappanavar (Foto: @helenlewis/ @OrrCollins/ Twitter)
Com uma participação aproximada de 65% da população a Irlanda dá uma virada histórica e aprova em plebiscito o aborto. O primeiro-ministro irlandês, Leo Varadkar, elogiou neste sábado o que denominou de “o culminar de uma revolução silenciosa” no país. A Irlanda é um país com uma forte tradição católica. “O que vemos hoje é a culminação de uma revolução silenciosa que ocorreu na Irlanda nos últimos 10 ou 20 anos”, disse Leo Varadkar no canal público RTE. “As pessoas disseram que queremos uma Constituição moderna para um país moderno, que confiamos e respeitamos as mulheres para tomarem as decisões...

Com uma participação aproximada de 65% da população a Irlanda dá uma virada histórica e aprova em plebiscito o aborto.

O primeiro-ministro irlandês, Leo Varadkar, elogiou neste sábado o que denominou de “o culminar de uma revolução silenciosa” no país. A Irlanda é um país com uma forte tradição católica.

“O que vemos hoje é a culminação de uma revolução silenciosa que ocorreu na Irlanda nos últimos 10 ou 20 anos”, disse Leo Varadkar no canal público RTE.

“As pessoas disseram que queremos uma Constituição moderna para um país moderno, que confiamos e respeitamos as mulheres para tomarem as decisões corretas sobre a sua própria saúde”, acrescentou.

Os resultados finais devem ser revelados ainda hoje ao final da tarde, mas é certa a vitória do sim.

Essa vitória ocorre após três anos da legalização, também por referendo, do casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Aquela aprovação já havia sido tratada como um terremoto cultural no país de 4,7 milhões de habitantes.

Veja também:  O presidente e suas muletas discursivas

O governo irlandês defende que as mulheres sejam autorizadas a interromper a gravidez nas primeiras 12 semanas, com assistência médica certificada.

Os profissionais de saúde terão o dever de falar e debater a opção pelo aborto com a grávida, que terá de respeitar um período de três dias de reflexão.

Terminado este prazo, e se mantiver a sua vontade, poder-se-á realizar a interrupção da gravidez.

Em campanha pelo voto sim, irlandeses lembraram Savita Halappanavar, que morreu em 2012, aos 31 anos, após ter pedido de aborto negado, em murais nas ruas. Savita pediu várias vezes para que tirassem o bebê, já que não podiam salvar sua vida. Ela sentia fortes dores, mas os médicos diziam que o aborto era ilegal. Após sua morte, a autópsia revelou que a causa da morte foi septicemia (infecção generalizada).

*Com informações da RTP e do Irish Independent

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum