Imprensa livre e independente
11 de fevereiro de 2015, 08h58

Jean Wyllys pondera: “Não podemos ser confundidos com reacionários que pedem impeachment”

Em coletiva de imprensa realizada na Câmara para apresentar propostas políticas e econômicas do PSOL para o país, o deputado afirmou que é preciso saber diferenciar os parlamentares da Casa: “A gente não vai tratar todos os petistas como corruptos e aderir a este discurso mentiroso”.

Em coletiva de imprensa realizada na Câmara para apresentar propostas políticas e econômicas do PSOL para o país, o deputado afirmou que é preciso saber diferenciar os parlamentares da Casa: “A gente não vai tratar todos os petistas como corruptos e aderir a este discurso mentiroso” Texto e fotos de Maíra Streit BRASÍLIA – Nesta terça-feira (10), o deputado Jean Wyllys (PSOL/RJ) se reuniu com a bancada do PSOL na Câmara dos Deputados e a Executiva Nacional do partido para apresentar alternativas para o que consideram uma crise político-econômica vivenciada pelo país na atualidade. Na ocasião, Wyllys criticou as medidas que...

Em coletiva de imprensa realizada na Câmara para apresentar propostas políticas e econômicas do PSOL para o país, o deputado afirmou que é preciso saber diferenciar os parlamentares da Casa: “A gente não vai tratar todos os petistas como corruptos e aderir a este discurso mentiroso”

Texto e fotos de Maíra Streit

BRASÍLIA – Nesta terça-feira (10), o deputado Jean Wyllys (PSOL/RJ) se reuniu com a bancada do PSOL na Câmara dos Deputados e a Executiva Nacional do partido para apresentar alternativas para o que consideram uma crise político-econômica vivenciada pelo país na atualidade. Na ocasião, Wyllys criticou as medidas que vêm sendo adotadas pelo governo federal, principalmente no que diz respeito aos direitos trabalhistas e previdenciários.

Porém, em entrevista coletiva realizada no local, o deputado fez questão de explicar que a oposição a Dilma Rousseff nada tem a ver com o golpismo aplicado por outros grupos políticos. “É fundamental que a nossa atuação não seja confundida com as forças políticas reacionárias que estão pedindo o impeachment da presidenta”, ponderou.

Veja também:  Greenwald enquadra CEO da Forbes: “Se você não acredita em jornalismo, deve sair da profissão”

O deputado disse que é preciso fazer uma diferenciação entre os parlamentares, independentemente do partido a que pertencem. “Há de se distinguir nossa atuação aqui porque o jogo é bastante complexo: o presidente desta Casa é, em tese, parte da base governista, e esta pessoa se opõe claramente às políticas de direitos humanos. Nós temos, aqui, apoio de petistas nas políticas de direitos humanos. Então, a gente não vai colocar todos os parlamentares petistas no mesmo pacote, não vai tratar todos os parlamentares petistas como corruptos. A gente não vai aderir a este discurso mentiroso”, afirmou.

Propostas

????????

Luciana Genro apresenta a Carta de Brasília, aprovada em reunião do PSOL

Hoje, o presidente nacional do PSOL, Luiz Araújo, e a candidata à Presidência da República nas eleições de 2014, Luciana Genro, apresentaram a Carta de Brasília, aprovada nesta manhã em reunião do partido. Reforçaram as propostas do PSOL o líder na Câmara, deputado Chico Alencar (RJ), e o senador Randolfe Rodrigues (AP). Além de Jean Wyllys (RJ), também estiveram na coletiva os deputados Ivan Valente (SP), Edmilson Rodrigues (PA) e Cabo Daciolo (RJ).

Veja também:  Alexandre Frota pede para Witzel explodir míssil na Virgínia, onde mora Olavo de Carvalho

Entre as alternativas sugeridas no documento, está a revogação das MPs 664/2014 e 665/2014; redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais, sem redução de salário; barrar o aumento das tarifas de transporte público e implementação do passe livre nacional; aprovação de uma reforma política que amplie a participação e o controle social sobre as instituições públicas; além de punição para os envolvidos no esquema investigado pela Operação Lava Jato.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum