15 de dezembro de 2018, 16h10

João de Deus já é considerado foragido e entrará para lista da Interpol, diz MP

Acusado por centenas de mulheres de abuso sexual, médium de Goiás não foi encontrado em todos os endereços possíveis e o comparecimento espontâneo não ocorreu nas 24 horas seguintes à ordem de prisão.

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O médium espírita João de Deus já é considerado foragido e entrará para a lista da Interpol (Polícia Internacional) para que possa ser preso em qualquer lugar do mundo. O anúncio foi feito na tarde deste sábado (15) pelo Ministério Público Federal de Goiás (MPF-GO).

A prisão do médium foi decretada nesta sexta-feira (14) pela Justiça de Goiás, exatamente uma semana após a exibição do programa “Conversa com Bial”, da TV Globo, que divulgou as primeiras denúncias de abuso sexual. A partir daí, outras mulheres que afirmam ser vítimas de João de Deus começaram a procurar as autoridades e a imprensa. De acordo com o Ministério Público Federal, foram feitas mais de 330 denúncias por pessoas de 13 estados do Brasil, além do Distrito Federal, e seis países.

Na parte da manhã, a defesa de João de Deus informou que o religioso se apresentaria às autoridades, mas não dentro do prazo estabelecido, que era, a princípio, às 12h. Depois o prazo foi estendido para 14h e mesmo assim João de Deus não se entregou.

O médium, que apareceu apenas uma vez – na quinta-feira (13) – desde que vieram à tona as denúncias, alega ser inocente