12 de dezembro de 2018, 21h26

Jornal Nacional mostra que Flávio Bolsonaro tinha funcionário fantasma morando em Portugal

Wellington Romano, ex-assessor de Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) na Alerj, foi um dos funcionários que repassou dinheiro ao motorista que movimentou R$1,2 milhão; em 1 ano e 4 meses como assessor, Romano passou 248 dias em Portugal recebendo integralmente seu salário de R$5.400

Reprodução/Jornal Nacional

O “Jornal Nacional”, da Globo, desta quarta-feira (12), fez uma longa matéria com desdobramentos da investigação que está sendo feita pela Ministério Público a partir de um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) que encontrou movimentações suspeitas na conta de Fabrício José Carlos de Queiroz, ex-assessor que atuava como motorista do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ).

Leia também
Relatório indica que ex-assessor de Flávio Bolsonaro recebia depósitos em dias de pagamento na Alerj

De acordo com o relatório, Queiroz movimentou entre 2016 e 2017 R$1,2 milhão em sua conta, valor incompatível com seu salário e patrimônio. Uma dessas movimentações foi um repasse de R$24 mil para a futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro. O ex-assessor ainda recebia periodicamente valores variados de outros nove funcionários do gabinete de Flávio Bolsonaro na Alerj e um desses funcionários é Wellington Sérvulo Romano.

De acordo com a apuração feita pelo telejornal da Globo, Romano começou a trabalhar como assessor de Flávio Bolsonaro em 2015 e ficou um ano e quatro meses no cargo até ser exonerado. Durante este período, passou 248 dias em Portugal recebendo integralmente seu salário de R$5.400 O zelador do prédio onde consta o endereço do ex-assessor no Rio de Janeiro, inclusive, chegou a afirmar que Romano vive “há anos” em Portugal com a família.

Leia também
Ex-assessor de Flávio Bolsonaro que movimentou R$ 1,2 milhão mora em casa simples na Zona Oeste do Rio

Flávio Bolsonaro nega que o assessor em questão fosse um funcionário fantasma. Seu pai, Jair Bolsonaro, por sua vez, afirmou que nem ele e nem seu filho são investigados e que o motorista Fabrício José Carlos de Queiroz prestará esclarecimentos à Justiça na semana que vem.