ASSISTA
27 de agosto de 2013, 13h22

Jornalista causa revolta ao afirmar que médicas de Cuba “têm cara de empregada doméstica”

Micheline Borges lamentou a chegada dos profissionais ao Brasil e disse: “Coitada da nossa população”

Micheline Borges lamentou a chegada dos profissionais ao Brasil e disse: “Coitada da nossa população”

Por Igor Carvalho

Micheline Borges se manifestou pelo Facebook (Imagem: Reprodução Facebook)

Micheline Borges, uma jornalista potiguar, causou revolta nas redes sociais ao expressar sua opinião sobre os médicos cubanos que estão chegando ao Brasil para trabalhar no programa “Mais Médicos”. “Me perdoem se for preconceito, mas essas médicas cubanas tem uma cara de empregada doméstica”, afirmou a repórter.

Em outro trecho, ela reclama da imagem dos profissionais cubanos. “Médico, geralmente, tem postura, tem cara de médico, se impõe a partir da aparência”.

A jornalista chega a questionar se os médicos de fato são profissionalizados, por conta da aparência deles, e questionou se eles serão capazes de tratar dengue ou febre amarela. Micheline Borges termina desejando que “Deus proteja o nosso povo.”

A jornalista deletou sua conta no Facebook após a repercussão negativa de suas declarações. O tom preconceituoso do texto fez com que quase mil pessoas compartilhassem a imagem na rede social, com tons ofensivos, acusando Micheline de racismo.

Leia também: No Blog do Rovai: O médico cubano negro e a intolerância de nossa elite branca