02 de dezembro de 2018, 17h38

Jornalista que acusou Feliciano de estupro diz que pastora cotada para ministra sabia de tudo

"Ela não sabe apenas do meu caso, sabe de muitos, mas como sempre tenta silenciar as vítimas", afirmou Patricia Lelis

A jornalista Patrícia Lélis divulgou imagens de conversas com a pastora Damares Alves, cotada para assumir o Ministério dos Direitos Humanos, da Igualdade Racial e das Mulheres, sobre a denúncia de tentativa de estupro do deputado federal Marco Feliciano.

Segundo Patrícia, a pastora evangélica sempre soube do ocorrido, assim como Magno Malta, de quem Damares é assessora. “Por diversas vezes Damares pediu para que eu não contasse a ninguém, e mesmo depois do caso ter ido para a PF, ela me pediu para que falasse o nome dela no testemunho. Na polícia federal deixei claro todos que sabiam via depoimento, e também o celular para perícia. E digo mais: Ela não sabe apenas do meu caso, sabe de muitos, mas como sempre tenta silenciar as vítimas”, afirmou a jornalista.

Patrícia acusa o deputado de ter tentado estuprá-la no seu apartamento em Brasília, em junho de 2016. A jornalista e ex-militante do Partido Social Cristão, se tornou ré no processo no qual é acusada de mentir e extorquir dinheiro de Talma de Oliveira Bauer, assessor de Feliciano.

“Aos pais que frequentam igreja e colocam pastores acima de tudo, eu só peço que tenham cuidado e escutam mais seus filhos, eles podem estar sendo sofrendo assédio, estupro e ameaças para ficarem calados”, disse Patrícia em seu último post com as conversas com Damares.