15 de março de 2019, 17h10

Juiz de direito ironiza hipocrisia do Brasil com a maconha

Luís Carlos Valois, juiz de direito e doutor em direito penal, é um defensor da legalização da cannabis

Reprodução
O juiz de direito Luís Carlos Valois, de Manaus (AM), usou as redes sociais, nesta sexta-feira (15), para ironizar a hipocrisia do Estado brasileiro com relação à política de drogas, mais especificamente a maconha. Um dos principais nomes do meio jurídico a encampar a defesa do antiproibicionismo, Valois postou, pela segunda vez, uma foto com um produto feito a base de cannabis. A primeira postagem foi em 2015, com um energético de maconha e, na ocasião, foi alvo de críticas por parte da imprensa e sofreu um certo tipo de perseguição no meio jurídico por militar pela causa. “Um dia...

O juiz de direito Luís Carlos Valois, de Manaus (AM), usou as redes sociais, nesta sexta-feira (15), para ironizar a hipocrisia do Estado brasileiro com relação à política de drogas, mais especificamente a maconha.

Um dos principais nomes do meio jurídico a encampar a defesa do antiproibicionismo, Valois postou, pela segunda vez, uma foto com um produto feito a base de cannabis. A primeira postagem foi em 2015, com um energético de maconha e, na ocasião, foi alvo de críticas por parte da imprensa e sofreu um certo tipo de perseguição no meio jurídico por militar pela causa.

“Um dia eu postei uma foto com um energético de cannabis, na Inglaterra, falando do quanto se pode fazer com essa planta, remédio, shampoos, cremes, roupas etc, e a gente prendendo pretos e pobres no Brasil… aí foi um escândalo, até jornal publicou a foto: ‘um juiz com um energético de cannabis, como pode?!’… bem agora vai uma foto com leite então, de cannabis, sem lactose, sem glúten, sem hipocrisia! Na Alemanha!”, escreveu na legenda.

O jurista, mestre e doutor em direito penal e criminologia, além de integrar a Associação de Juízes para Democracia – AJD, é porta-voz daLaw Enforcement Against Prohibition – LEAP (Agentes da Lei contra a Proibição).

Em artigo publicado no site Justificando, no ano passado, o juiz conta como passou a ser tachado de “juiz maconheiro”, mesmo sem fazer o uso da substância. Confira aqui.