Imprensa livre e independente
13 de maio de 2019, 16h31

Juíza que condenou Lula no caso do sítio reconhece que copiou sentença de Moro

Gabriela Hardt, além de admitir que escreveu sua sentença usando a decisão do então juiz como modelo, defendeu a nomeação de Moro ao STF: “Se fosse presidente, indicaria”

Foto: Reprodução/YouTube/Ajufe
Gabriela Hardt, juíza federal que condenou o ex-presidente Lula por corrupção no caso do sítio de Atibaia, reconheceu, nesta segunda-feira (13), que escreveu sua sentença usando a decisão do ex-juiz Sérgio Moro como modelo. A defesa do ex-presidente protocolou uma reclamação do Supremo Tribunal Federal (STF), argumentando que a utilização do texto de Moro na sentença dela comprova que Lula não está sendo propriamente julgado. A juíza, no entanto, negou que tenha cometido injustiça. Gabriela declarou que é “normal” usar sentenças como modelo. Disse que usa decisões de colegas como base para todas as suas decisões. “A gente sempre faz uma...

Gabriela Hardt, juíza federal que condenou o ex-presidente Lula por corrupção no caso do sítio de Atibaia, reconheceu, nesta segunda-feira (13), que escreveu sua sentença usando a decisão do ex-juiz Sérgio Moro como modelo.

A defesa do ex-presidente protocolou uma reclamação do Supremo Tribunal Federal (STF), argumentando que a utilização do texto de Moro na sentença dela comprova que Lula não está sendo propriamente julgado. A juíza, no entanto, negou que tenha cometido injustiça.

Gabriela declarou que é “normal” usar sentenças como modelo. Disse que usa decisões de colegas como base para todas as suas decisões. “A gente sempre faz uma sentença em cima da outra. E a gente busca a anterior que mais se aproxima. Nosso sistema tem modelo para que a gente comece a redigir em cima dele. Eu faço isso em todas as minhas decisões. Raramente começo a redigir uma sentença do zero porque seria um retrabalho”.

A juíza afirmou que, no caso de Lula, a sentença mais semelhante disponível no sistema era o do ex-juiz Moro, que havia condenado o ex-presidente no caso do triplex no Guarujá.

Veja também:  Cristina Kirchner, candidata a vice na Argentina: entenda o que está por trás da decisão

“Usei o modelo do caso mais próximo, mas a fundamentação da sentença não tem nada da anterior”, afirmou.

Na sentença de Gabriela, sobre o sítio, ela usou a palavra “apartamento”, termo que estava na ação de Moro. “Eu fiz em cima e na revisão esqueci de tirar aquela palavra”, tentou justificar. “Fiz a sentença sozinha. Todas as falhas dela são minhas”.

Moro no STF

A juíza ainda afirmou que, “se fosse presidente”, indicaria o colega Sérgio Moro a uma vaga no STF. Em um congresso de direito em Curitiba, nesta segunda, onde Moro também palestrou, Gabriela elogiou o trabalho do antecessor e afirmou que ele já demonstrou competência para ocupar uma vaga no Supremo.

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum