15 de outubro de 2018, 21h22

Justiça de Goiás bloqueia bens do tucano Marconi Perillo no valor de R$ 7,6 milhões

Ex-governador do estado é indiciado por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa

Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

O ex-governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), que não conta mais com foro ptivilegiado, depois de ser preso pela Polícia Federal (PF) e solto em seguida, agora ele sofreu mais um revés. A Justiça de Goiás mandou bloquear bens do tucano e de um ex-secretário. Perillo foi indiciado em processo de por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa. O valor que deve ser bloqueado em contas bancárias, de acordo com informações de Vinicius Sassine, de O Globo, é de R$ 7,6 milhões.

A ação de improbidade contra Perillo detalha supostas irregularidades na edição de um decreto, em 2017, que aumentou em 25% o valor de diárias e de indenizações de transporte para governador, vice-governador e secretários de Estado. Segundo o MP, o prejuízo aos cofres públicos foi de R$ 2,54 milhões, que precisariam ser reparados ao erário.

A Justiça, ao conceder a liminar determinando o bloqueio de bens de Marconi e de seu ex-secretário João Furtado de Mendonça Neto, interpretou que o governo violou a Lei de Responsabilidade Fiscal. A suspeita é que o ex-governador de Goiás recebeu da Odebrecht R$ 2 milhões em 2010 e R$ 10 milhões em 2014, em troca de benefícios em obras da empreiteira no estado.