03 de julho de 2018, 19h40

Justiça do Equador manda prender ex-presidente Rafael Correa

Ele é investigado pelo suposto envolvimento na tentativa de sequestro de um deputado e deveria prestar esclarecimentos a cada 15 dias em Quito; como vive na Bélgica e se apresentou na embaixada equatoriana local, Justiça solicitou à Interpol a prisão e extradição do ex-presidente

A Corte Nacional de Justiça do Equador determinou, nesta terça-feira (3), a prisão preventiva do ex-presidente Rafael Correa. A partir de um pedido da Procuradoria Geral do país, a Justiça solicitou que a Interpol prenda e extradite Correa, que vive na Bélgica, por não ter cumprido uma medida cautelar de se apresentar a cada 15 dias em Quito para prestar esclarecimentos sobre uma investigação da qual é alvo. O ex-presidente, no entanto, não está foragido. Ele se apresentou à embaixada equatoriana em Bruxelas, mas mesmo assim a Justiça entendeu que ele descumpriu a medida cautelar.

Correa é investigado por, supostamente, ter participado da tentativa de sequestro do deputado Fernando Balda na Colômbia em 2010.

O ex-presidente nega as acusações a afirma que não há nenhuma prova de seu envolvimento com o crime.