13 de julho de 2018, 10h00

Justiça do RN revoga prisão domiciliar de Henrique Eduardo Alves

Ele responde a duas acusações. Uma delas por desvios no Fundo de Investimentos do FGTS, da Caixa, da qual foi presidente e a outra por desvios na construção da Arena das Dunas

(Foto: Agência Câmara)

O ex-ministro Henrique Eduardo Alves (MDB) teve a prisão domiciliar revogada pelo juiz Francisco Eduardo Guimarães Farias, da 14ª Vara Federal de Natal.

Ele responde a duas acusações. Uma delas, da operação Sépsis, por desvios no Fundo de Investimentos do FGTS, administrado pela Caixa Econômica Federal, da qual foi presidente e a outra da operação Manus, por desvios na construção da Arena das Dunas.

Alves passará a responder em liberdade. O ex-deputado Eduardo Cunha também foi preso na operação Sépsis.

Henrique Alves ficou preso na Academia de Polícia Militar em Natal até o dia 3 de maio de 2017, quando a Justiça concedeu liberdade a Alves no processo da operação Sépsis. A partir daí, ele passou a cumprir prisão domiciliar pela operação Manus.

Depoimentos da Operação Manus

Henrique Alves e Eduardo Cunha foram denunciados por lavagem de dinheiro, corrupção passiva e organização criminosa. Na última segunda-feira (9), o ex-ministro prestou depoimento na Justiça Federal. Na ocasião, Alves negou à Justiça Federal todas as acusações contra ele e disse acreditar que “o MP agiu por desinformação”.