Imprensa livre e independente
02 de janeiro de 2018, 13h11

Levantamento indica que Temer ampliou a concentração de renda, deixando o Brasil mais desigual

Pesquisa da LCA Consultores, a partir da base de dados da Pnad Contínua, do IBGE, mostra que o governo atual tem promovido o aumento da desigualdade no país.

Pesquisa da LCA Consultores, a partir da base de dados da Pnad Contínua, do IBGE, mostra que o governo atual tem promovido o aumento da desigualdade no país. Da Redação* Um levantamento realizado pela LCA Consultores, a partir da base de dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostra que o governo de Michel Temer tem promovido a concentração de renda e o aumento da desigualdade no País. Ajude a Fórum a fazer a cobertura do julgamento do Lula. Clique aqui e saiba mais. Segundo os dados, os 10% dos...

Pesquisa da LCA Consultores, a partir da base de dados da Pnad Contínua, do IBGE, mostra que o governo atual tem promovido o aumento da desigualdade no país.

Da Redação*

Um levantamento realizado pela LCA Consultores, a partir da base de dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostra que o governo de Michel Temer tem promovido a concentração de renda e o aumento da desigualdade no País.

Ajude a Fórum a fazer a cobertura do julgamento do Lula. Clique aqui e saiba mais.

Segundo os dados, os 10% dos trabalhadores com maiores salários (cerca de 8,5 milhões de pessoas) recebiam 41,1% da massa de rendimentos de todos os trabalhos no terceiro trimestre de 2017, o equivalente a R$ 774 bilhões. Em igual período de 2016, esse grupo do topo da renda nacional respondia por uma fatia menor, de 39% da massa salarial.

No outro extremo, o grupo composto por 40% dos trabalhadores ocupados com menores salários (36 milhões de pessoas) recebia 12,7% da massa de rendimentos (R$ 23,7 bilhões) no terceiro trimestre de 2017. No mesmo período de 2016, esse grupo representava parcela maior, de 14,1% da massa.

Veja também:  Após dois anos, PMs são indiciados por agressão de Luana Barbosa em Ribeirão Preto

“O aumento da desigualdade pode ser visto como contínuo e intensificou-se em 2017 por conta do aumento do trabalho informal, dado o contexto de crise econômica. Os trabalhadores que compõem a parcela dos 10% de maior renda mantiveram seus empregos de um ano para cá. O grupo dos 40% com menor rendimento acolheu pessoas com ganhos ainda menores, que se tornaram informais”, disse o economista Cosme Donato.

*Com informações do Brasil 247

Fotos: Reprodução

 

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum