29 de junho de 2018, 12h27

López Obrador é ovacionado por multidão no estádio Azteca

Com gritos de “es un honor estar con Obrador” e “olé olé olé AMLO AMLO (iniciais do nome de Obrador)” o estádio vibrou com a chegada do candidato

– No México, López Obrador, pela terceira vez candidato à presidência, foi ovacionado ontem ao final de seu último comício eleitoral. Com as palavras de “o povo pode salvar o povo” e “vamos regenerar a vida pública” o candidato líder das pesquisas animou a militância para reta final até o domingo 1º. de julho. Com gritos de “es un honor estar con Obrador” e “olé olé olé AMLO AMLO (iniciais do nome de Obrador)” o estádio vibrou com a chegada do candidato. Alguns criticaram o comício por ter sido muito comercial, ao estilo de um festival de música, mas, ao final, o estádio Azteca lotado foi ganho por palavras de ordem políticas.

– Rumo à estação Finlândia. Pela primeira vez Trump e Putin se reunirão em um encontro preparado especificamente para eles. Já se encontraram duas vezes em 2017, no G20 de Hamburgo (julho) e na cúpula da Apec no Vietnã (novembro). Desta vez o encontro será em Helsinque, na Finlândia, no próximo dia 16 de julho. Um dos pontos mais tensos do encontro pode ser sobre a guerra na Síria, americanos podem pressionar para que a Rússia tire o Irã da Síria, a pedido de Israel, em troca os russos podem pedir para que EUA retire sua base militar na Síria em um ponto estratégico de fronteira com Jordânia e Iraque. Situação da Ucrânia também pode entrar na pauta, assim como o retorno da Rússia para o G7.

– Senado argentino marcou para o dia 8 de agosta a votação do projeto de lei que descriminaliza o aborto e permite a interrupção voluntária da gravidez até a 14ª semana de gestação. Na América Latina, apenas Cuba, Guiana Francesa, Uruguai e a cidade do México possuem legislação que garante o aborto legal. Os debates prometem ser acalorados no Senado, com destaque a liderança de Cristina Kirchner, ex-presidente e senadora a favor do aborto e de Gabriela Michetti, presidente do Senado e contrária à aprovação da lei. Nas ruas também faz manifestações prometem ser gigantescas.

– E adivinhem para onde o mais novo presidente eleito da Colômbia viajou, com menos de 10 dias após ser eleito? Acertou quem disse EUA. Duque viveu 10 anos nos EUA, onde trabalhou como consultor do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) e do CAF (Corporação Andina de Fomento) – Banco de Desenvolvimento da América Latina. Uma de suas agendas será com o Senador Marco Rubio, representante da extrema-direita norte-americana. Rubio é filho de cubanos que migraram para os EUA por motivos econômicos nos anos 50, ainda antes da revolução cubana, e mesmo assim se diz “filho de exilados cubanos que sofreram com a ditadura Castro”. No senado americano, impulsiona projetos contra o Irã, Cuba e Venezuela, apoiou agressão da OTAN à Libia (2011), é contrário ao aborto, à taxação das grandes riquezas, ao controle de armas e foi um dos mais militantes contra o projeto sistêmico de assistência à saúde dos norte americanos Obamacare.

– Termina hoje, 29 de junho, a Cúpula da União Europeia que por um triz ficou sem acordo. A grande questão que divide os líderes europeus e impactou no encontro é a migratória. O primeiro ministro italiano foi quem se opôs a um acordo consensual. Disse que a Itália não assinaria nenhum acordo sobre segurança e comércio caso não se avançasse na questão migratória, fazendo com que o presidente da cúpula Donald Tusk e o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, cancelassem a conferência de imprensa que anunciaria os resultados da cúpula. Ao fim saiu um acordo pouco específico sobre a política migratória, mas que incluiu a construção de centros de recepção de refugiados dentro da Europa como um dos pontos a serem implementados. Nos centros, serão separados os migrantes “econômicos” dos refugiados de conflitos, sendo que os primeiros serão “devolvidos” aos seus países e os segundos serão distribuídos por cotas entre os países europeus que aceitem acolhe-los. A construção dos centros também será nos países europeus que se oferecerem voluntariamente para sediá-los. Receberão os recursos financeiros para tanto. O Brexit e a reforma da Zona do Euro foram outros pontos do encontro.

– Na semana em que mundialmente se comemora o Dia do Orgulho LGBT, 28 de junho, a diretora do Centro Nacional de Educação Sexual (Cenesex) de Cuba, Mariela Castro Espín, anunciou em entrevista à AFP que o processo constituinte que se encontra em curso na ilha “abrirá o caminho para tomar decisões em favor dos direitos das pessoas LGBT, entre eles a possibilidade de matrimonio entre pessoas do mesmo sexo”.

– Terminou o “giro” de Mike Pence pela América Latina, passando por Brasil, Equador e Guatemala. Ficou clara a intenção da visita: promover o isolamento da Venezuela na região.

– Quase 600 mulheres foram presas ontem nos EUA durante a ocupação de um dos prédios do Senado americano durante protestos contra a o política de “tolerância zero” com migrantes, promovida pelo governo Trump. As manifestantes foram presas e indiciadas pela polícia dentro do edifício e logo soltas.

– Morreu ontem o professor Domenico Losurdo, aos 77 anos, um dos maiores filósofos e marxistas italianos. Foi um grande estudioso da obra de Gramsci e dedicou sua carreira à defesa de um pensamento plural e libertador. Seu último livro lançando no Brasil, pela Boitempo, é “O Marxismo Ocidental”.