Imprensa livre e independente
13 de setembro de 2018, 17h05

Ludmilla segue Pabllo Vittar e cancela contrato com grife que apoia Bolsonaro

O próprio dono da empresa de calçados, o designer e empresário catarinense Victor Vicenzza, anunciou que a cantora também resolveu romper o contrato que tinha com a marca

Foto: Reprodução/YouTube Depois que a cantora Pabllo Vittar anunciou, no início de setembro, que havia cancelado seu vínculo com a grife Victor Vicenzza Calçados, em função do apoio público do empresário ao candidato à presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL), Ludmilla seguiu os passos e fez o mesmo, segundo informações do DCM. O próprio dono da empresa, o designer e empresário catarinense Victor Vicenzza, anunciou que a cantora também resolveu romper o contrato que tinha com a marca. Segundo Vicenzza, algumas drag queens também decidiram promover o boicote à grife, como Aretuza Lovi e Gloria Groove. À época de seu...

Foto: Reprodução/YouTube

Depois que a cantora Pabllo Vittar anunciou, no início de setembro, que havia cancelado seu vínculo com a grife Victor Vicenzza Calçados, em função do apoio público do empresário ao candidato à presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL), Ludmilla seguiu os passos e fez o mesmo, segundo informações do DCM.

O próprio dono da empresa, o designer e empresário catarinense Victor Vicenzza, anunciou que a cantora também resolveu romper o contrato que tinha com a marca. Segundo Vicenzza, algumas drag queens também decidiram promover o boicote à grife, como Aretuza Lovi e Gloria Groove.

À época de seu desligamento da empresa, Pabllo Vittar divulgou um desabafo nas redes sociais: “Não poderia aliar meu trabalho a um discurso que deixa claro não se importar com os direitos humanos de toda comunidade LGBTQIA+. da qual faço parte”, escreveu.

A empresa chegou a lançar uma linha de botas com desenhos do rosto de Jair Bolsonaro.

Foto: Reprodução/Facebook Victor Vicenzza Calçados

Veja também:  Delis Ortiz, da Globo, dá Bíblia a Bolsonaro e agradece em nome dos jornalistas por entrevista que não pode ser gravada

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum