Imprensa livre e independente
10 de maio de 2019, 21h55

Lula em entrevista à BBC: “Bolsonaro é um doente”

Na entrevista ao jornalista Kennedy Alencar veiculada pela BBC, a segunda desde que foi preso, o ex-presidente Lula demonstrou energia e lucidez ao falar dos mais variados temas, da avaliação do governo Bolsonaro às chamadas jornadas de junho de 2013

Foto: Reprodução
Na primeira entrevista concedida desde que foi preso em abril de 2018, o ex-presidente Lula afirmou que “somos governados por um bando de malucos”. Na segunda entrevista, concedida ao jornalista Kennedy Alencar e exibida de forma editada em um programa documental da BBC World News veiculado nesta sexta-feira (10), o petista foi além na crítica ao presidente Jair Bolsonaro. “Eu acho que ele [Bolsonaro] tem um início de mandato extremamente desastroso. A minha impressão é que ele não sabe lé com cé, é um doente. Acha que o problema do Brasil se resolve com arma. O problema do Brasil se...

Na primeira entrevista concedida desde que foi preso em abril de 2018, o ex-presidente Lula afirmou que “somos governados por um bando de malucos”. Na segunda entrevista, concedida ao jornalista Kennedy Alencar e exibida de forma editada em um programa documental da BBC World News veiculado nesta sexta-feira (10), o petista foi além na crítica ao presidente Jair Bolsonaro.

“Eu acho que ele [Bolsonaro] tem um início de mandato extremamente desastroso. A minha impressão é que ele não sabe lé com cé, é um doente. Acha que o problema do Brasil se resolve com arma. O problema do Brasil se resolve com livros, com escola”, afirmou.

Demonstrando energia e lucidez, mesmo encarcerado há mais de um ano em uma sala especial da superintendência da Polícia Federal de Curitiba, Lula voltou a pedir as provas de que ele era dono do apartamento triplex pelo qual foi condenado e reafirmou sua inocência.

“Se esse maldito apartamento é meu tem que ter um pagamento, um contrato. A única coisa que me interessa é minha inocência, e eu vou brigar por ela até os últimos dias da minha vida”, pontuou.

Veja também:  Juiz absolve Caetano por chamar Olavo de Carvalho de “sub-Heidegger do nosso sub-Hitler”

O programa da BBC não exibiu a íntegra da entrevista, mas trechos intercalados com narração sobre o contexto político brasileiro e imagens. Entre inúmeros assuntos, Lula falou, por exemplo, do ódio que a elite brasileira tem do PT .

“Eu penso que no Brasil nós temos um problema psicológico coletivo na elite de não suportar a ascensão das camadas mais pobres. Incomoda. É triste, mas incomoda o fato de os pobres estarem oucpando as praças que eram dos ricos, os restaurantes, viajando nos aviões que eles viajavam. Ocupando um espaço de ascensão social que não estava previsto na elite desde o fim da escravidão. É importante lembrar para dizer o número correto: tiramos 36 milhões da miséria absoluta. As pessoas passaram a gostar de si mesmas”, disse.

Em um momento em que Kennedy Alencar perguntou sobre o processo que levou ao clamor popular pelo impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff, Lula voltou às chamadas jornadas de junho de 2013, que começaram com pequenas manifestações contra o aumento da tarifa do transporte público e se transformaram em um movimento de massas contra a classe política. Para o ex-presidente, ali já se formava uma articulação contra o PT.

Veja também:  Santos recebe XXIV Convenção Nacional de Solidariedade a Cuba

“Eu acho que até hoje não avaliamos corretamente o que aconteceu em 2013. Ninguém me convence que aquilo aconteceu porque a polícia de São Paulo bateu numa manifestação de 3 mil pessoas. Aquilo, na minha opinião, já fazia parte da arquitetura política de derrubar o goberno, derrubar o PT”, avaliou.

A princípio, a entrevista de Lula ao jornalista Kennedy Alencar, gravada no dia 3, iria ao ar, além da BBC, pela RedeTV, mas a emissora desistiu da exibição por motivos ainda desconhecidos. A íntegra da entrevista, sem cortes, será veiculada somente na segunda-feira (13), no blog de Alencar.

Assista, abaixo, ao programa editado da BBC.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum