03 de novembro de 2016, 15h32

Machismo e Homofobia em sala de aula

“Dia desses, falei para uma turma com cerca de 120 estudantes que não toleraria nenhum tipo de piada de cunho machista ou homofóbico no ambiente. No momento, creio, pareci um pouco ‘seco’ ou ‘duro’, mas era preciso não dar margem à dupla interpretação: era ‘não tolero’. E ponto final”

Por Luiz Henrique Dias*

Explico.

Neste ano, 2016, completei 16 anos de carreira como professor.

Comecei cedo, ainda calouro da UFPR, num pré-vestibular chamado “Em Ação”, que ajudei a criar e que ainda existe em Curitiba, onde lecionam estudantes dos cursos de licenciatura da Universidade.

Daí para chegar à educação privada, por onde já passei como professor de cursinho, ensino médio e educação técnica, foi uma longa jornada e hoje, mais de uma década e meia depois, me sinto na obrigação de não fugir de temas importantes para a formação dos jovens, mesmo sendo questões ditas “paralelas”, mas extremamente ortogonais.

Em todos esses anos, sempre percebi o quanto dois assuntos empurrados para baixo do tapete são: homofobia e machismo.

Para não falar do preconceito velado e violento das escolas de ensino fundamental e médio por onde passei, ou mesmo no ensino técnico, vou focar minha análise apenas nos cursinhos, onde atuo ainda hoje.

E confesso não saber de onde veio a ideia de que professor de pré-vestibular precisa ser humorista.

Que é preciso um bom humor, principalmente com viés motivacional, não tenho dúvida, assim como não tenho dúvida que bom humor se expressa com sorriso e com respeito.

Que é preciso, também, ser mais que um orador/explanador, e desenvolver com os vestibulandos uma relação que pode beirar a amizade, no sentido de servir de apoio nesse momento extremamente delicado da vida deles, não há dúvidas.

Da mesma forma, que é preciso estabelecer uma dualidade entre racionalidade e emoção, para acompanhar as variações de humor de quem vive sobre a pressão casa/trabalho/futuro/cursinho, todos sabemos.

Mas e quando isso tudo se confundo com busca pela popularidade barata?

Aí entra a velha técnica do comediante: forçar a risada de uns com base na humilhação de outros.

Quando agem dessa forma , os professores e professoras, meus colegas de profissão, humilham veladamente e oprimem violentamente alunos e alunas, em benefício a alimentar o ego daqueles “não incluídos” na humilhação.

Piadas de cunho racista, machista, segmentadadoras e homofóbicas, são feitas sem critério algum, destruindo a autoestima de quem é vítima da “brincadeira”.

E, na maioria das vezes, a defesa não pode ser feita, seja por medo da exposição, seja por entender não ser possível mudar a forma das coisas acontecem.

Já presenciei diversas piadas de mal gosto, assim como músicas, frases para se decorar tabelas e fórmulas, macetes para regras, etc, em que incluem-se grosserias do pior gosto possível.

Esses colegas, pessoas de “nível de instrução” acima da média, agem dentro de uma cultura nefasta de exposição da diversidade e da diferença de forma vexatória e com discurso de normalidade e de um machismo que legitima a cultura do estupro e a violência contra as mulheres.

Ao fazerem piadas machistas, esquecem que, em média, 15 mulheres são mortas diariamente no Brasil simplesmente por serem mulheres.

Ao fazerem piadas racistas, fecham os olhos — deles e dos alunos — para a população negra morta diariamente pela violência e pela polícia, ou encarcerada em nosso sistema penitenciário horrendo, que mantém mais negros em situação de privação de liberdade do que quando o Brasil era um país escravista.

Ao fazerem piadas homofóbica, tapam a luz do sol com a peneira sobre os LGBTs agredidos, humilhados e mortos, todos os dias, em nosso país, só por não viverem nas regras heteronormativas da sociedade e expressarem sua diversidade e sua singularidade.

A difusão do ódio, mesmo velado, ou “sem querer”, através de brincadeiras e piadas, é grave em essência.

É mais grave ainda, quando tratamos de pessoas em período de formação e/ou transição.

Os alunos e as alunas dos cursinhos serão, em poucos anos, os profissionais, engenheiros, médicas, professores, sociólogas, jornalistas, arquitetas, veterinários, advogadas, administradores, economistas, etc, que estarão à frente da sociedade e precisam ter consciência do que somos e de onde queremos chegar.

Acredito que nossa carreira deve ser exercida com cidadania e, assim como quer ser respeitada e valorizada, deve respeitar e valorizar a todos e a todas e defender os princípios básicos da vida em sociedade, da constituição e, principalmente, do respeito ao ser humano.

*Luiz Henrique Dias é professor e coordenador do Projeto A São Paulo que Queremos