Imprensa livre e independente
26 de outubro de 2016, 09h10

Maduro diz que não permitirá golpe parlamentar na Venezuela

Chavistas foram às ruas se manifestar contra a abertura de um processo de responsabilização do presidente entoando "Venezuela não é Brasil".

Chavistas foram às ruas se manifestar contra a abertura de um processo de responsabilização do presidente entoando “Venezuela não é Brasil” Por Agência Ansa* O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou nesta terça-feira (25), que o país não sofrerá um “golpe parlamentar”. O comentário foi feito depois que a Assembleia Nacional aprovou a abertura de um julgamento sobre a responsabilidade política de Maduro. “Não vamos permitir um golpe parlamentar na Venezuela”, disse o mandatário que, no Palácio de Miraflores, sede do governo, acompanhado de milhares de chavistas, convocou uma reunião para esta quarta-feira (26) para falar da situação política do...

Chavistas foram às ruas se manifestar contra a abertura de um processo de responsabilização do presidente entoando “Venezuela não é Brasil”

Por Agência Ansa*

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou nesta terça-feira (25), que o país não sofrerá um “golpe parlamentar”. O comentário foi feito depois que a Assembleia Nacional aprovou a abertura de um julgamento sobre a responsabilidade política de Maduro.

“Não vamos permitir um golpe parlamentar na Venezuela”, disse o mandatário que, no Palácio de Miraflores, sede do governo, acompanhado de milhares de chavistas, convocou uma reunião para esta quarta-feira (26) para falar da situação política do país.

Maduro também comentou que a Constituição do seu país outorga ao presidente “o poder de defender o direito à liberdade, à democracia e à vida do povo venezuelano”.

Nas ruas, os chavistas repetiam gritos como “o povo o quer, dissolva a Assembleia” e “Venezuela não é Brasil”, fazendo alusão ao impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. Em discurso, o presidente disse que o que está acontecendo na Assembleia “está se transformando em um espaço de maldade e de amargura” e que “nem [Barack] Obama, nem a direita e nem nenhum império poderão com a força do povo chavista bolivariano”.

Veja também:  Ali Kamel defende cobertura do Jornal Nacional em caso Moro e reage à comparação com Zorra Total

A decisão do parlamento – em uma agitada sessão – foi a de iniciar um julgamento político e legal contra Maduro por ruptura da ordem constitucional e abandono a suas funções. Além disso, o sucessor de Hugo Chavéz também foi acusado de promover um golpe de estado ao suspender o processo que convocava um referendo revogatório de seu mandato, que tem fim em 2019.

Com a abertura do julgamento, a Assembleia ordenou que o presidente venezuelano compareça à sessão da próxima terça-feira, dia 1º, o que deve ser recusado por Maduro que, como a Suprema Corte do país, considera o órgão “ilegítimo”.

*Reprodução da Agência Brasil

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum