23 de janeiro de 2019, 18h49

Maduro não cede ao golpe, se cerca de apoiadores e expulsa embaixadores dos EUA

Presidente da Assembleia Nacional se autoproclamou presidente com o apoio dos EUA e Brasil, mas uma multidão cercou o Palácio de Miraflores em apoio ao presidente eleito, Nicolás Maduro, que anunciou que não se renderá e deu 72 horas para que o corpo diplomático norte-americano deixe o país

Reprodução/Twitter
O presidente eleito da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou na tarde desta quarta-feira (23) o corte total de relações diplomáticas e econômicas com os Estados Unidos e deu o prazo de 72 horas para que o corpo diplomático norte-americano deixe o país. A medida é uma reação à nova tentativa de golpe na Venezuela amparada pelo apoio de Donald Trump e Jair Bolsonaro, que declararam oficialmente reconhecer o líder oposicionista Juan Guaidó como o novo chefe do Executivo venezuelano. Mais cedo, durante um comício, Guaidó se autoproclamou presidente. Milhares de pessoas, no entanto, cercaram o Palácio de Miraflores em apoio ao...

O presidente eleito da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou na tarde desta quarta-feira (23) o corte total de relações diplomáticas e econômicas com os Estados Unidos e deu o prazo de 72 horas para que o corpo diplomático norte-americano deixe o país.

A medida é uma reação à nova tentativa de golpe na Venezuela amparada pelo apoio de Donald Trump e Jair Bolsonaro, que declararam oficialmente reconhecer o líder oposicionista Juan Guaidó como o novo chefe do Executivo venezuelano. Mais cedo, durante um comício, Guaidó se autoproclamou presidente.

Milhares de pessoas, no entanto, cercaram o Palácio de Miraflores em apoio ao presidente Nicolás Maduro, que garantiu que não vai ceder à nova tentativa de golpe no país. “Aqui ninguém se rende!”, exclamou.

Sob aplausos, o presidente venezuelano denunciou os interesses dos Estados Unidos e países aliados no petróleo do país.

Acompanhe a íntegra do discurso de Maduro aqui.