Imprensa livre e independente
15 de maio de 2015, 20h36

Mais capítulos para a “novela” de Alckmin: Greve dos professores de SP continua

Com propostas do governo apenas para parte da pauta de reivindicações, os trabalhadores do ensino público seguem para mais uma semana de paralisação.

Com propostas do governo apenas para parte da pauta de reivindicações, os trabalhadores do ensino público seguem para mais uma semana de paralisação Por RBA Em assembleia realizada hoje (15) à tarde no vão livre do Masp, na Avenida Paulista, o professores da rede estadual decidiram manter a paralisação, que já completa 64 dias. Além da valorização profissional, a categoria reivindica a reabertura de turmas fechadas, que levou à concentração de 50 alunos, em média, por sala de aula. Na última quarta-feira, a direção do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) se reuniu com...

Com propostas do governo apenas para parte da pauta de reivindicações, os trabalhadores do ensino público seguem para mais uma semana de paralisação

Por RBA

Em assembleia realizada hoje (15) à tarde no vão livre do Masp, na Avenida Paulista, o professores da rede estadual decidiram manter a paralisação, que já completa 64 dias. Além da valorização profissional, a categoria reivindica a reabertura de turmas fechadas, que levou à concentração de 50 alunos, em média, por sala de aula.

Na última quarta-feira, a direção do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) se reuniu com o secretário estadual da Educação, Herman Voorwald, que não apresentou proposta de reajuste salarial. Disse apenas que o governo paulista aumentará os salários, sem falar em índices.

No entanto, acenou com propostas para outros pontos da pauta dos professores, como a contratação de temporários por três anos ininterruptos, em vez de um ano. Os temporários teriam atendimento pelo Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual (Iamspe), o que não acontece atualmente.

Veja também:  Parlamentares acionam MPF para barrar desmonte da Política de HIV e AIDs no Brasil

De acordo com o sindicato, a secretaria se comprometeu em criar um grupo de trabalho, com participação do sindicato, para desmembrar salas de aula, reduzindo assim o número de estudantes por turma. Outra reivindicação da entidade, a contratação de coordenadores pedagógicos, poderá ocorrer ainda este ano.

No final da assembleia de hoje, os professores seguiram em caminhada pela Paulista.

Foto: Reprodução/Twitter 

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum