16 de dezembro de 2018, 18h02

Mais de 48 horas após ordem de prisão, João de Deus se entrega à polícia em Goiás

O médium foi denunciado por mais de 300 mulheres por abuso sexual durante seus atendimentos espirituais; prisão é preventiva e polícia investiga agora possível ocultação de patrimônio

Foto: Divulgação

Considerado foragido desde sábado (15), o médium João de Deus se entregou à polícia em Abadiânia (GO) por volta das 16h30 deste domingo (16). A ordem de prisão havia sido emitida pela Justiça na sexta-feira (14), mas a polícia não conseguiu localizar o religioso em nenhum de seus endereços.

O médium se apresentou em uma delegacia acompanhado de seus advogados e foi detido sem o uso de algemas. A prisão é preventiva e ainda não há informações sobre onde o religioso ficará preso.

João de Deus foi denunciado por mais de 300 mulheres, inclusive de fora do país, por abuso sexual durante seus atendimentos espirituais. O escândalo veio à tona no dia 7 deste mês com a divulgação, no  programa “Conversa com Bial”, da TV Globo, das primeiras denúncias de abuso sexual. A partir daí, outras mulheres que afirmam ser vítimas de João de Deus começaram a procurar as autoridades e a imprensa.

O médium, que apareceu apenas uma vez – na quinta-feira (13) – desde que vieram à tona as denúncias, alega ser inocente.

Ocultação de patrimônio 

Investigadores da Polícia Civil informaram, na tarde deste sábado (15), que o médium retirou R$35 milhões de suas contas bancárias na última quarta-feira (12), quando as denúncias de abuso sexual já eram públicas e estampavam as manchetes dos jornais. O saque milionário motivou a Justiça de Goiás a acelerar a ordem de prisão.

A gente já tem informações de que há providências do investigado buscando ocultar patrimônio. Este fato está sendo apurado e todas as medidas cabíveis estão sendo tomadas pelo MP-GO”, disse a promotora Gabriella de Queiroz Clementino.