50 assassinos matam brutalmente a CLT †11 de junho de 2017, esse crime hediondo não pode ficar impune

Morreu ontem aos 74 anos, assassinada por 50 despachantes do capital travestidos de senadores a Consolidação das Leis do Trabalho. Os 50 assassinos de uma única canetada retiraram 100 direitos garantidos dos trabalhadores. Acabaram com a Justiça do...

Morreu ontem aos 74 anos, assassinada por 50 despachantes do capital travestidos de senadores a Consolidação das Leis do Trabalho.

Os 50 assassinos de uma única canetada retiraram 100 direitos garantidos dos trabalhadores. Acabaram com a Justiça do Trabalho para todos e tornaram o Ministério Público do Trabalho órgão inútil já que um dos direitos assassinados foi a própria CLT com o negociado prevalecendo sobre o legislado.

Esses assassinos voltaram as costas para o seu povo, a eles só interessam pagar a fatura da crise no lombo do trabalhador. A classe trabalhadora fez campanha, as consultas abertas pelo próprio senado majoritariamente diziam que a população brasileira era contra o assassinato da CLT. Durante o crime hediondo ocorrido no Senado ontem, a Internet não deixou dúvida de que lado estava: contra a morte da CLT.

QUE O POVO BRASILEIRO JAMAIS ESQUEÇA OS NOMES E PARTIDOS DAQUELES QUE LHES ASSALTARAM DE MORTE RETIRANDO DIREITOS CONQUISTADOS COM LUTA E MUITAS BAIXAS DE TRABALHADORES.

Segue a lista dos assassinos dos direitos trabalhistas do povo brasileiro. Assassinos neoescravagistas, boa parte corrupta e que só representa as 10 empresas que financiaram a campanha de 70% desses canalhas.

Aécio Neves (PSDB-MG),  Ana Amélia (PP-RS), Antonio Anastasia (PSDB-MG), Airton Sandoval (PMDB-SP), Armando Monteiro (PTB-PE), Ataídes Oliveira (PSDB-TO), Benedito de Lira (PP-AL), Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), Cidinho Santos (PR-MT), Ciro Nogueira (PP-PI), Cristovam Buarque (PPS-DF), Dalirio Beber (PSDB-SC), Dário Berger (PMDB-SC), Davi Alcolumbre (DEM-AP), Edison Lobão (PMDB-MA), Eduardo Lopes (PRB-RJ), Elmano Férrer (PMDB-PI), Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE), Flexa Ribeiro (PSDB-PA), Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), Gladson Cameli (PP-AC), Ivo Cassol (PP-RO), Jader Barbalho (PMDB-PA), João Alberto Souza (PMDB-MA), José Agripino (DEM-RN), José Maranhão (PMDB-PB), José Medeiros (PSD-MT), José Serra (PSDB-SP), Lasier Martins (PSD-RS), Magno Malta (PR-ES), Marta Suplicy (PMDB-SP), Omar Aziz (PSD-AM), Paulo Bauer (PSDB-SC), Raimundo Lira (PMDB-PB), Ricardo Ferraço (PSDB-ES), Roberto Muniz (PP-BA), Roberto Rocha (PSB-MA), Romero Jucá (PMDB-RR), Ronaldo Caiado (DEM-GO), Rose de Freitas (PMDB-ES), Sérgio Petecão (PSD-AC), Simone Tebet (PMDB-MS), Tasso Jereissati (PSDB-CE), Valdir Raupp (PMDB-RO), Vicentinho Alves (PR-TO), Waldemir Moka (PMDB-MS), Wellington Fagundes (PR-MT), Wilder Morais (PP-GO), Zeze Perrella (PMDB-MG)

Aécio Neves mesmo depois de gravado, fotografado pela Polícia Federal recebendo 2 milhões da JBS e em gravação de áudio ameaça matar o próprio primo voltou para o senado livre, leve e solto para cometer mais crimes. Os demais assassinos da CLT com um simples Google você verá que a imensa maioria tem processos de corrupção, estão na lista da Odebrecht, envolvidos na lava-jato.

Setenta por cento desses canalhas tiveram suas campanhas financiadas por dez empresas, mas foram os eleitores brasileiros que colocaram seus nomes nas urnas.  A Classe trabalhadora tem obrigação de não permitir que nenhum desses ladrões de direitos, assassinos da CLT, recebam um único voto nas próximas eleições.

Criminalizar a política, acreditar na mídia golpista, fizeram dos brasileiros os verdadeiros pagadores do pato da FIESP.