Seja Sócio Fórum
16 de abril de 2013, 23h07

Massacre do Carandiru: Quatro réus serão ouvidos hoje (17)

Segundo dia do julgamento terminou com interrogatório de Pedro Franco de Campos e de juíza

Segundo dia do julgamento terminou com interrogatório de Pedro Franco de Campos e de juíza Por Igor Carvalho Releia:  Carandiru, a tragédia 20 anos depois Um sistema que não funciona Hoje (17), 4 dos 26 réus serão ouvidos no julgamento do Massacre do Carandiru. Os demais 22 acusados vão exercer exercer o direito de não falar. O secretário de Segurança Pública à época, Pedro Franco de Campos, foi ouvido logo após o depoimento do ex-governador Luiz Antonio Fleury Filho. (Marcelo Camargo/ABr) Campos confirmou as informações passadas pelos juízes corregedores Fernando Torres e Ivo de Almeida, de que teria autorizado o...

Segundo dia do julgamento terminou com interrogatório de Pedro Franco de Campos e de juíza

Por Igor Carvalho

Releia: 

Carandiru, a tragédia 20 anos depois

Um sistema que não funciona

Hoje (17), 4 dos 26 réus serão ouvidos no julgamento do Massacre do Carandiru. Os demais 22 acusados vão exercer exercer o direito de não falar. O secretário de Segurança Pública à época, Pedro Franco de Campos, foi ouvido logo após o depoimento do ex-governador Luiz Antonio Fleury Filho.

(Marcelo Camargo/ABr)

Campos confirmou as informações passadas pelos juízes corregedores Fernando Torres e Ivo de Almeida, de que teria autorizado o coronel Ubiratan Guimarães a invadir o Pavilhão 9. “Havendo a necessidade, o senhor pode entrar”, afirmou. O secretário ressaltou que, apesar de concordar com a “entrada da Polícia Militar”, não houve uma prestação de contas da PM sobre o fato. “Não sei nem como se deu a divisão da equipe na invasão.”

A última testemunha do dia foi a juíza da Primeira Vara das Execuções Criminais e Corregedoria dos Presídios de Taubaté, Sueli Zeraik Armani. A advogada que defende os 26 réus, Ieda Ribeiro de Souza, a interrogou sobre o comportamento de presos em rebeliões, uma forma de tentar justificar a ação dos policiais. “É uma situação tensa, normalmente eles quebram todo o presídio”, afirmou a magistrada.

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum