COMPRE JÁ
09 de Março de 2018, 09h52

Médicos canadenses protestam contra o aumento dos próprios salários (não, você não leu errado)

Os médicos disseram que não poderiam aceitar os aumentos enquanto as condições de trabalho continuarem difíceis para outros profissionais da área médica

Centenas de médicos de Quebec (Canadá) estão protestando contra os aumentos de salário, dizendo que já ganham muito dinheiro. A partir da última quarta-feira (7) à tarde, mais de 700 médicos, moradores e estudantes de medicina da província canadense haviam assinado uma petição on-line pedindo que seus aumentos salários fossem cancelados. Um grupo chamado Médecins Québécois Pour le Régime Public (MQRP), que representa médicos e advogados do Quebec para saúde pública, iniciou a petição em 25 de fevereiro.

“Nós, médicos do Quebec que acreditamos em um sistema público forte, somos contra os recentes aumentos salariais negociados pelas nossas federações médicas”.

O grupo de médicos disse que não poderia, de boa consciência, aceitar os aumentos de salário enquanto as condições de trabalho continuarem difíceis para outros profissionais da área médica – incluindo enfermeiros e funcionários – e enquanto os pacientes “conviverem com a falta de acesso aos serviços exigidos por cortes drásticos nos últimos anos.”

Há falta de enfermeiros em Quebec, o que levou a categoria a fazer greve contra a sobrecarga de trabalho exigida pelo governo. O objetivo deles é aprovar uma lei que diminua o número de atendimentos para cada enfermeira.

Em janeiro, uma postagem de uma enfermeira de Quebec chamada Émilie Ricard viralizou nas redes sociais com uma foto onde a profissional aparecia extenuada após um plantão, dizendo que havia atendido mais de 70 pacientes no chão. Ela estava tão estressada que tinha cãibras que a impediam de dormir.

“Este é o rosto da enfermagem”, escreveu Ricard, criticando o ministro da Saúde do Quebec, Gaétan Barrette, que considerou o recente sistema de saúde um sucesso.

“Não sei onde você vai conseguir suas informações, mas não é na realidade da enfermagem”, escreveu a enfermeira. Ela acrescentou mais tarde: “Estou envergonhada da minha profissão, da pobreza dos cuidados que presto. Nosso sistema de saúde está doente e morrendo “.

A publicação de Ricard já foi compartilhada mais de 55.000 vezes.

“Sempre há dinheiro para os médicos, diz ela, e sobre os outros profissionais que cuidam dos pacientes?”, Disse Nancy Bédard, presidente do sindicato de enfermeiras do Quebec, de acordo com a Global News.

Leia a matéria completa no Washington Post