Imprensa livre e independente
21 de janeiro de 2014, 08h28

Metade da riqueza mundial é controlada por apenas 1% da população

Oxfam alerta que os poderes econômicos e políticos estão “separando cada vez mais as pessoas”, tornando inevitáveis “as tensões sociais e o aumento do risco de ruptura social”

Oxfam alerta que os poderes econômicos e políticos estão “separando cada vez mais as pessoas”, tornando inevitáveis “as tensões sociais e o aumento do risco de ruptura social” Por Esquerda.net A organização humanitária Oxfam publicou um relatório esta segunda-feira onde dá conta que a riqueza acumulada pelas 85 pessoas mais ricas do mundo corresponde aos recursos disponíveis de mais de metade dos pobres de todo o mundo. Em Portugal, o peso dos rendimentos dos mais ricos no rendimento total do país mais que duplicou desde a década de 80. O estudo intitulado “Governar para as elites – sequestro democrático e...

Oxfam alerta que os poderes econômicos e políticos estão “separando cada vez mais as pessoas”, tornando inevitáveis “as tensões sociais e o aumento do risco de ruptura social”

Por Esquerda.net

A organização humanitária Oxfam publicou um relatório esta segunda-feira onde dá conta que a riqueza acumulada pelas 85 pessoas mais ricas do mundo corresponde aos recursos disponíveis de mais de metade dos pobres de todo o mundo. Em Portugal, o peso dos rendimentos dos mais ricos no rendimento total do país mais que duplicou desde a década de 80.

O estudo intitulado “Governar para as elites – sequestro democrático e desigualdade econômica”, é divulgado nas vésperas de mais um Fórum Econômico Mundial de Davos, que reúne os mais poderosos e ricos do mundo.

Com este estudo, a organização pretende alertar para o fato dos poderes econômicos e políticos estarem “separando cada vez mais as pessoas”, tornando inevitáveis “as tensões sociais e o aumento do risco de ruptura social”.

 Sete em cada dez pessoas vivem em países onde a desigualdade econômica aumentou nos últimos 30 anos (Esquerda.net)

A Oxfam alerta que cerca de metade da riqueza de todo o globo é propriedade de apenas 1% da população mundial, o que corresponde a 110 bilhões de euros, 65 vezes superior ao que dispõe a metade mais carente do mundo.

Veja também:  Manifestações começam pelo Twitter na semana em que Bolsonaro pretende ir ao Nordeste

Os dados relatados pela organização são elucidativos. No ano passado, 210 pessoas entraram no “restrito clube dos multimilionários – que superam o 1 bilhão de dólares de fortuna -”, atualmente composto por 1.426 pessoas, com uma riqueza total avaliada em 5,4 bilhões de dólares. Por sua vez, na Europa, a fortuna das dez pessoas mais ricas, 217 bilhões de euros, ultrapassa o valor das medidas de estímulo à economia aplicadas entre 2008 e 2010 (200 bilhões de euros). Segundo a Oxfam, estes valores dão uma “ideia da magnitude da concentração de riqueza a nível mundial”.

A organização vai mais longe e demonstra que sete em cada dez pessoas vivem em países onde a desigualdade econômica aumentou nos últimos 30 anos e que o peso dos rendimentos do 1% mais rico da população nos rendimentos totais dos seus países cresceu em pelos menos 24 dos 26 Estados para os quais dispõe de dados. Esta tendência confirma-se também “em países considerados mais igualitários, como a Suécia e a Noruega”.

Veja também:  Política econômica de Bolsonaro-Guedes destruirá o Brasil, por Gleisi Hoffmann

Em Portugal, à semelhança da China e dos Estados Unidos, o peso dos rendimentos dos mais ricos no rendimento total do país mais que duplicou desde a década de 80, “e a situação tem vindo a piorar”, revela o relatório.

“É provável que, na realidade, a concentração de riqueza seja muito maior, dado que uma grande quantidade dos rendimentos dos mais endinheirados se ocultam em paraísos fiscais”, entende a Oxfam, que estima existirem pelos menos 18,599 bilhões de dólares não registados.

No tocante à distribuição de riqueza, a organização humanitária foca-se em dados do Crédit Suisse que demonstram que 86% dos recursos do mundo são controlados por apenas 10% da população, por sua vez, os 70% dos mais pobres, têm a seu dispor apenas 3% dos recursos.

Segundo a Oxfam, a concentração de capital não tem equivalente na história mundial, dando o exemplo do multimilionário mexicano Carlos Slim, que com apenas os seus ganhos anuais conseguiria pagar o salário anual a 440 mil conterrâneos.

Os autores chegam mesmo a classificar esta concentração brutal de recursos como um “sequestro democrático”, que faz com que vários governos sirvam apenas uma pequena elite através de “políticas fiscais injustas e práticas corruptas, que expoliam os cidadãos”. “A magnitude da concentração de riqueza, a monopolização de oportunidades e a desigualdade na representação política são uma tendência grave e preocupante”, que ameaça “perpetuar as diferenças entre ricos e pobres e torná-las irreversíveis”.

Veja também:  MPF quer suspender licitação de autódromo do Rio, onde Bolsonaro quer realizar GP de Fórmula-1

Assim, solicitam aos participantes de Davos que tomem medidas para combater as desigualdades.

Segundo o jornal Público, entre as recomendações aos mais ricos e poderosos do mundo figuram as de não recorrer a paraísos fiscais, nem fugir aos impostos; não utilizar o poder econômico para obter favores políticos; o apoio a políticas de progressividade fiscal sobre a riqueza e os rendimentos; exigir que todas as empresas paguem salários justos aos seus trabalhadores e que os governos canalizem a sua receita fiscal para proporcionar cuidados de saúde, educação proteção social a todos os cidadãos.

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum