ASSISTA
31 de julho de 2014, 19h28

Metade dos presos do Brasil aguarda por julgamento, diz ONU

Relatório feito pela Organização das Nações Unidas também aponta que as cadeias brasileiras têm 200 mil detentos a mais do que permite a capacidade

“Políticas públicas para mostrar firmeza contra o crime levaram a uma tendência de encarceramento em massa”, aponta o documento

Por Redação

De acordo com relatório da Organização das Nações Unidas (ONU), o sistema prisional do Brasil tem 200 mil detentos a mais que a capacidade existente permite. Outro dado alarmante é que 217 mil ainda aguardam pelo julgamento. O estudo da ONU também afirma que o Judiciário brasileiro é “insuficiente”.

Estes dados estão em um estudo ao qual o jornal O Estado de S. Paulo teve acesso a um documento preliminar que será divulgado em setembro, preparado por um grupo de trabalho da ONU que esteve no Brasil em março deste ano e que deve ser publicizado durante a reunião do Conselho de Direitos Humanos, em Genebra, também em setembro.

O relatório também informa que o Brasil possui a quarta maior população carcerária do mundo e constata-se que a metade da população carcerária aguarda “meses e anos” por julgamento. O Estudo da ONU afirma que a “presunção de inocência” foi abandonada por juízes. “Políticas públicas para mostrar firmeza contra o crime levaram a uma tendência de encarceramento em massa”, diz o documento.

O documento da ONU atenta para o fato de que a “maioria das pessoas na prisão é jovem, indígena, afrodescendente ou pobre” e que não tem como pagar advogado. O relatório sugere que a administração federal e as administrações estaduais implantem penas alternativas.

Foto: Radar Cidade