Imprensa livre e independente
10 de junho de 2019, 07h37

Mídia da Europa e da Ásia destacam escândalo da #VazaJato: “reviravolta no Caso Lula”, diz suíço Le Temps

As revelações do The Intercept Brasil foram repercutidas com destaque em veículos de comunicação da Europa e Ásia, que apontam que o conluio de Sergio Moro com procuradores teria impedido eventual vitória do PT nas eleições 2018

Jornal suíço Le Temps destaca escândalo da Vaza Jato (Reprodução)
Esta segunda-feira (10/6) começou com as revelações do The Intercept Brasil ganhando destaque em algumas importantes publicações europeias, e dando proporções mundiais ao esquema entre o juiz Sérgio Moro e os procuradores do Ministério Público (especialmente Deltan Dallagnol) para usar politicamente a Operação Lava Jato. Na Suíça, o Le Temps fala em “reviravolta no Caso Lula” em sua manchete, com um texto que conta como “autoridades das investigações anti corrupção da Lava Jato manobraram para impedir o retorno do ex-presidente Lula ao poder no ano passado, em reportagem baseada em vazamentos potencialmente explosivos”. A edição espanhola do El País coloca como principal...

Esta segunda-feira (10/6) começou com as revelações do The Intercept Brasil ganhando destaque em algumas importantes publicações europeias, e dando proporções mundiais ao esquema entre o juiz Sérgio Moro e os procuradores do Ministério Público (especialmente Deltan Dallagnol) para usar politicamente a Operação Lava Jato.

Na Suíça, o Le Temps fala em “reviravolta no Caso Lula” em sua manchete, com um texto que conta como “autoridades das investigações anti corrupção da Lava Jato manobraram para impedir o retorno do ex-presidente Lula ao poder no ano passado, em reportagem baseada em vazamentos potencialmente explosivos”.

A edição espanhola do El País coloca como principal notícia de sua seção Internacional a repercussão da reportagem de Glen Greenwald e sua equipe, afirmando na manchete que o escândalo “coloca em dúvida a imparcialidade da Operação Lava Jato”. No texto, o jornal diz que “Moro recomendou ao procurador que ele mudasse a ordem de uma das etapas da investigação, cobrou mais agilidade nas operações, deu conselhos estratégicos e pistas informais de investigação, e antecipou ao menos uma de suas sentenças, criticou e sugeriu recursos ao Ministério Público, além de reclamar de Dallagnol, como se fosse seu superior hierárquico”.

Veja também:  Sessão solene em homenagem aos 50 anos de Stonewall contará com a presença da cantora Daniela Mercury

O francês Le Monde começa contando a história com uma pergunta: “E se o maior escândalo de corrupção na história do país tivesse sido manipulado?”. Em seu subtítulo, afirma que “segundo as revelações do The Intercept, a vasta investigação anticorrupção visava impedir o retorno de Lula ao poder”.

Outro meio que colocou o escândalo em destaque em sua página principal foi o portal russo RT, em sua página em espanhol (voltada para América Latina e Península Ibérica). O periódico relata as “discussões internas e atitudes altamente controversas, politizadas e legalmente duvidosas da equipe de trabalho de Lava Jato”.

Entre os meios asiáticos, destaque para o canal Al Jazeera, do Qatar, que relata que “o hoje ministro da Justiça do Brasil, quando era juiz, colaborou com os procuradores ara condenar o líder esquerdista Luiz Inácio Lula da Silva por acusações de corrupção, e assim impedi-lo de concorrer à eleição de 2018, segundo informou uma agência de notícias investigativa”.

Já o canal iraniano HispanTV traz uma manchete que fala abertamente na Lava Jato como “pretexto para afastar Lula da política”, e explica que Moro e os procuradores “utilizaram a Operação Lava Jato para obstaculizar uma eventual vitória do Partido dos Trabalhadores (PT), fundado por Luis Inácio Lula da Silva, nas presidenciais do ano passado”.

Veja também:  O nome do hacker: acesso remoto

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum