Imprensa livre e independente
19 de dezembro de 2018, 20h30

Ministro do Meio Ambiente de Bolsonaro é condenado

Presidente eleito havia prometido que afastaria do seu ministério qualquer integrante que tivesse algum tipo de condenação na Justiça

Foto: Reprodução/GloboNews Ricardo de Aquino Salles, escolhido para assumir a pasta do Meio Ambiente no governo de Jair Bolsonaro, foi condenado por fraudar mapas ambientais para beneficiar empresários. Agora, só resta saber se o presidente eleito vai cumprir a palavra que empenhou, no sentido de afastar do seu ministério qualquer integrante que tivesse algum tipo de condenação na Justiça. O ex-secretário do estado de Meio Ambiente de São Paulo, na gestão de Geraldo Alckmin (PSDB), era investigado em uma ação civil pública por favorecer empresas de mineração na escolha do mapa de zoneamento do Plano de Manejo da Área de...

Foto: Reprodução/GloboNews

Ricardo de Aquino Salles, escolhido para assumir a pasta do Meio Ambiente no governo de Jair Bolsonaro, foi condenado por fraudar mapas ambientais para beneficiar empresários. Agora, só resta saber se o presidente eleito vai cumprir a palavra que empenhou, no sentido de afastar do seu ministério qualquer integrante que tivesse algum tipo de condenação na Justiça.

O ex-secretário do estado de Meio Ambiente de São Paulo, na gestão de Geraldo Alckmin (PSDB), era investigado em uma ação civil pública por favorecer empresas de mineração na escolha do mapa de zoneamento do Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental (APA) do Rio Tietê.

Fórum precisa ter um jornalista em Brasília em 2019. Será que você pode nos ajudar nisso? Clique aqui e saiba mais

O Ministério Público de São Paulo (MP-SP) julgou procedente a ação de improbidade e condenou Salles a: 1) suspensão dos direitos políticos por três anos; 2) pagamento de multa civil em valor equivalente a dez vezes a remuneração mensal recebida no cargo de secretário; 3) proibição de contratar com o poder público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, por três anos.

Veja também:  Aliado convicto, Danilo Gentili acusa bolsonaristas de intimidação no Twitter

Afastamento

O MP já havia pedido, em março de 2017, a anulação do plano de manejo e o afastamento do então secretário Salles, o que foi negado em primeira instância.

Em segunda, um desembargador acatou o pedido do MP e anulou o plano, em um processo avaliado em mais de R$ 50 milhões. Salles pediu demissão e deixou o governo em agosto de 2017.

O inquérito civil apurou as seguintes ilegalidades: a) modificação de mapas elaborados pela Universidade de São Paulo; b) alteração da minuta do decreto do plano de manejo; c) perseguição aos funcionários da Fundação Florestal.

Confira aqui a íntegra da decisão

Agora que você chegou ao final deste texto e viu a importância da Fórum, que tal apoiar a criação da sucursal de Brasília? Clique aqui e saiba mais

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum