04 de dezembro de 2018, 21h30

Moro anuncia caçada aos sindicatos

Com a extinção do Ministério do Trabalho, a pasta da Justiça, comandada pelo ex-juiz da Operação Lava Jato, dará as cartas nas relações com as entidades de classe trabalhistas

Foto: Lula Marques/Fotos Públicas

Apesar de ainda não ter assumido o Ministério da Justiça, o ex-juiz Sérgio Moro, sob a justificativa de “eliminar qualquer vestígio de corrupção”, já deu mostras de que pretende iniciar uma autêntica caçada aos sindicatos de trabalhadores, a partir de janeiro.

Com a extinção do Ministério do Trabalho, criado em 1930 por Getúlio Vargas, os assuntos referentes às entidades de classe trabalhistas mudarão de pasta, trocando o Trabalho pela Justiça.

Fórum precisa ter um jornalista em Brasília em 2019. Será que você pode nos ajudar nisso? Clique aqui e saiba mais

“Há uma intenção de transferir essa questão sindical para o ministério. É um setor que houve muita corrupção no passado. O objetivo dessa transferência é que, sob o guarda-chuva do Ministério da Justiça, possamos eliminar qualquer vestígio de corrupção”, afirmou.

Até mesmo o atual ministro do Trabalho e Emprego, Caio Vieira de Mello, afirmou que a extinção da pasta causará um “desmanche” nas atividades de fiscalização do trabalho. “É um ato complexo, de uma repercussão social grande. É um desmanche de maior fiscalização, piora a condição social do trabalhador”, declarou, em entrevista à Rádio Nacional.

Onyx e Lula

Moro também falou sobre os problemas na Justiça de um de seus principais aliados. O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou nesta terça-feira (4) o Ministério Público Federal (MPF) a investigar o pagamento de caixa 2 do Grupo J&F ao deputado Onyx Lorenzoni (DEM/RS), futuro ministro da Casa Civil de Jair Bolsonaro.

Nesse momento, o futuro ministro parece não ter tanta rigidez ao falar sobre corrupção: “Durante a votação das dez medidas contra a corrupção, ele foi abandonado pela maioria dos seus pares, mas demonstrou comprometimento pessoal para a causa anticorrupção, inclusive com alto custo político. Ele tem minha confiança pessoal”, disse.

Além disso, evitou se aprofundar a respeito do julgamento do habeas corpus do ex-presidente Lula na Segundo Turma do STF: “Pertence à Justiça, não ao futuro ministério. Faz parte do meu passado, não tenho comentários”.

Agora que você chegou ao final deste texto e viu a importância da Fórum, que tal apoiar a criação da sucursal de Brasília? Clique aqui e saiba mais