Imprensa livre e independente
15 de outubro de 2015, 12h03

Morre Brilhante Ustra, torturador da ditadura militar

O coronel reformado – primeiro militar reconhecido pela Justiça como torturador – estava com 83 anos e tratava de um câncer; na década de 1970, era chefe do DOI-Codi, órgão de repressão da ditadura Por Redação Morreu em Brasília (DF), na madrugada desta quinta-feira (15), o coronel reformado Carlos Alberto Brilhante Ulstra, o primeiro militar reconhecido pela Justiça brasileira como torturador. Ele estava com 83 anos e estava internado para o tratamento de um câncer. De acordo com a família, Ulstra fazia quimioterapia e estava com a saúde fragilizada. Gaúcho, o militar atuou entre 1970 e 1974 como chefe do...

O coronel reformado – primeiro militar reconhecido pela Justiça como torturador – estava com 83 anos e tratava de um câncer; na década de 1970, era chefe do DOI-Codi, órgão de repressão da ditadura

Por Redação

Morreu em Brasília (DF), na madrugada desta quinta-feira (15), o coronel reformado Carlos Alberto Brilhante Ulstra, o primeiro militar reconhecido pela Justiça brasileira como torturador. Ele estava com 83 anos e estava internado para o tratamento de um câncer. De acordo com a família, Ulstra fazia quimioterapia e estava com a saúde fragilizada.

Gaúcho, o militar atuou entre 1970 e 1974 como chefe do Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi) – principal órgão de repressão da ditadura militar -, em São Paulo. No local, de acordo com apurações da Comissão Nacional da Verdade, teriam sido torturadas 502 pessoas e assassinadas outras 50.

Ulstra sempre negou as acusações mas, em algumas ocasiões, admitiu “excessos”. Ele já foi citado em inúmeros depoimentos de ex-presos e ex-agentes e já chegou a admitir, inclusive, que utilizava o codinome “Dr. Tibiriçá” – constantemente relatado por vítimas.

Veja também:  Lula está apaixonado e seu primeiro projeto ao sair da prisão é se casar, diz ex-ministro de FHC que o visitou

Foto: CNV

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum