10 de setembro de 2018, 12h40

Morre Helio Jaguaribe, ocupante da cadeira 11 da ABL, a mesma de Darcy Ribeiro e Celso Furtado

Crítico do golpe militar de 64, Jaguaribe participou dos governos Sarney e Collor e foi fundador do PSDB

Helio Jaguaribe. Foto: Reprodução Vídeo/ALESP

O acadêmico, jurista, sociólogo e escritor Helio Jaguaribe, de 95 anos, morreu na noite de domingo (9) em sua casa em Copacabana, no Rio, vítima de falência múltipla dos órgãos. A informação foi divulgada pela Academia Brasileira de Letras, da qual Jaguaribe era membro.

Seu corpo será velado na Sala dos Poetas Românticos, no Petit Trianon, a partir das 10 horas de quarta-feira, dia 12. O sepultamento está previsto para o mesmo dia, às 15 horas, no Mausoléu da Academia Brasileira de Letras, no Cemitério São João Batista, em Botafogo. O Acadêmico deixa viúva, Maria Lucia Charnaux Jaguaribe, e cinco filhos, Anna, Roberto, Claudia, Beatriz e Isabel.

Sobre Jaguaribe, o presidente da ABL, Marco Lucchesi, afirmou: “Helio Jaguaribe foi um dos últimos grandes intérpretes de nosso país. Estudou o Brasil para transformá-lo, mediante uma abordagem desenvolvimentista, com a fundação do Iseb (Instituto Superior de Estudos Brasileiros), nos anos cinquenta”.

Marco Lucchesi disse, ainda, que “para Helio Jaguaribe, ação e pensamento permanecem indissociáveis, como Darcy Ribeiro e Celso Furtado, que o precederam na cadeira 11 da Academia Brasileira de Letras. Cientista político de alta erudição e consciência vigilante, deixou obra vasta e criativa. Cito apenas dois títulos: A dependência político-econômica da América Latina, verdadeiro clássico na área, e Um estudo crítico da história, divisor de águas da interpretação do processo histórico publicado em nosso país. Homem de gestos largos e entusiasmado, Helio continua vivo pelas virtudes de sua obra, saudosa do futuro”.

Crítico do golpe militar de 64, fato que o levou a se mudar para os Estados Unidos, onde lecionou nas Universidades de Harvard, Stanford e Massachusetts Institute of Technology. Jaguaribe participou dos governos Sarney e Collor e foi fundador do PSDB.

Por sua contribuição às Ciências Sociais, aos estudos latino-americanos e à análise das Relações Internacionais, recebeu o grau de Doutor Honoris Causa da Universidade de Johannes Gutenberg, de Mainz, RFA (em 1983); da Universidade Federal da Paraíba (em 1992); da Universidade de Buenos Aires (em 2001). Em 1996 foi agraciado, por sua contribuição às Ciências Sociais, com a Grã-Cruz da Ordem Nacional do Mérito Científico. Em 1999, o Ministério da Cultura conferiu-lhe, por sua contribuição ao desenvolvimento cultural do país, a Ordem do Mérito Cultural.