Imprensa livre e independente
07 de janeiro de 2017, 14h32

Morre Mário Soares, o presidente de todos os portugueses

Sua vida foi totalmente dedicada à política e à democracia. Foi preso 12 vezes, acabou deportado para São Tomé, em 1968, e depois foi para a França. Retornou à Portugal recebido por uma multidão que o abraçou e o elegeu para vários cargos públicos.

Sua vida foi totalmente dedicada à política e à democracia. Foi preso 12 vezes, acabou deportado para São Tomé, em 1968, e depois foi para a França. Retornou à Portugal recebido por uma multidão que o abraçou e o elegeu para vários cargos públicos. Da Redação com informações do Diário de Notícias de Portugal Morreu neste sábado (07), em Lisboa, aos 92 anos, o ex-primeiro ministro português e ex-presidente da república de Portugal Mário Soares. A notícia foi confirmada pelo porta-voz do Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa. Ele estava internado desde 13 de dezembro. Nascido em Lisboa, a 7...

Sua vida foi totalmente dedicada à política e à democracia. Foi preso 12 vezes, acabou deportado para São Tomé, em 1968, e depois foi para a França. Retornou à Portugal recebido por uma multidão que o abraçou e o elegeu para vários cargos públicos.

Da Redação com informações do Diário de Notícias de Portugal

Morreu neste sábado (07), em Lisboa, aos 92 anos, o ex-primeiro ministro português e ex-presidente da república de Portugal Mário Soares. A notícia foi confirmada pelo porta-voz do Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa. Ele estava internado desde 13 de dezembro.

Nascido em Lisboa, a 7 de dezembro de 1924, Mário Soares era visto cada vez menos em público. A última vez tinha sido em 28 de setembro passado, numa homenagem do atual Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, à sua mulher, Maria Barroso, que morreu no ano passado, a 7 de julho, no mesmo hospital onde estava internado o marido. Mário Soares, com uma rosa amarela na mão e rosto enrugado, parecia bem debilitado.

Veja também:  Bush não convidou e foi surpreendido com visita de Bolsonaro, diz assessor

Durante a chamada Revolução dos Cravos, que libertou Portugal do Estado Novo, ditadura que durou mais de 40 anos, Soares foi um dos 27 que se juntou, em abril de 1973, na cidade alemã de Bad Münstereifel para fundar o Partido Socialista. Sua vida foi totalmente dedicada à política e à democracia. Foi preso 12 vezes, acabou deportado para São Tomé, em 1968, e depois foi para a França.

Três dias depois do 25 de Abril, regressou a Lisboa no que ficou conhecido como o “comboio da Liberdade”, foi recebido por uma multidão na estação de Santa Apolónia.

Desde então é reconhecido como o principal líder civil do campo da democracia. Nestes 42 anos de liberdade foi ministro dos Negócios Estrangeiros (1974-75) e primeiro-ministro por três vezes (1976-77, 1978 e 1983-85) e foi um dos maiores responsáveis pela adesão de Portugal à CEE (a União Europeia de hoje) assinada em 1985.

Foi eleito Presidente da República, em 1986. Ele se autoproclamava o primeiro Presidente “de todos os portugueses”, numa eleição muito disputada e dividida. O seu primeiro mandato foi teve tanto sucesso que ele foi reeleito com 70,35% (quase três milhões e meio de votos, resultado nunca alcançado por outro político em eleições nacionais).

Veja também:  Negociações na Noruega podem significar uma reviravolta do conflito na Venezuela

Foto: Agência Reuters

Para continuar a divulgar conteúdo que faz o contraponto, a Fórum precisa da sua ajuda. Seja sócio e participe de sorteios incríveis!

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum