ASSISTA
13 de Maio de 2016, 15h54

Movimentos marcam manifestação em apoio aos estudantes presos em SP

Cerca de 50 secundaristas que ocupavam unidades de ensino no estado, em protesto contra a ‘máfia das merendas’, foram reprimidos – com relatos até mesmo de assédio sexual – e detidos pela PM em uma ação sem mandado judicial. SSP alega que os conduziu para “serem identificados e prestarem esclarecimentos”. Assista ao vídeo [imagens fortes] […]

Cerca de 50 secundaristas que ocupavam unidades de ensino no estado, em protesto contra a ‘máfia das merendas’, foram reprimidos – com relatos até mesmo de assédio sexual – e detidos pela PM em uma ação sem mandado judicial. SSP alega que os conduziu para “serem identificados e prestarem esclarecimentos”. Assista ao vídeo [imagens fortes] de uma das desocupações realizada pela polícia

Por Redação

Movimentos estudantis, pais e alunos convocam para as 17h desta sexta-feira (13), na Praça do Ciclista, em São Paulo, uma manifestação em solidariedade aos estudantes secundaristas presos e contra a chamada ‘máfia das merendas’, que tem como suspeitos de envolvimento deputados estaduais e membros do primeiro escalão do governo do estado.

Pela manhã, a Polícia Militar realizou operações de desocupação em ao menos três unidades da rede de ensino estadual que estavam ocupadas pelos estudantes: na Escola Técnica Tiradentes (Etesp Tiradentes), Diretoria de Ensino Centro-Oeste e Diretoria de Ensino Norte-Guarulhos). Todas as intervenções, de acordo com os estudantes e seus advogados, teriam sido realizadas sem uma decisão (mandado) judicial.

A secretaria de Segurança Pública (SSP), até o momento, não divulgou um número exato de estudantes detidos, se limitando a informar, por meio de nota, que “desocupou pacificamente as unidades de ensino” e que “alguns estudantes foram detidos para identificação e prestação de esclarecimentos”. Versão contestada pelos estudantes.

“Na hora da invasão o choque já entrou batendo nos escudos e em ponto de batalha. As mulheres presentes foram humilhadas, fomos levadas ao banheiro uma a uma e obrigadas a retirar as roupas para ‘revista minusiosa’ e ainda ouvir palavras de baixo calão dirigidas a nós, nos chamaram de vagabunda e outras coisas”, disse à página ‘O mal educado’ uma aluna que ocupava a Diretoria de Ensino Norte-Guarulhos e que preferiu não ser identificada.

De acordo com o governo, as desocupações sem mandado judicial foram realizadas sob a recomendação da Procuradoria-Geral do Estado (PGE) que, anteriormente, já havia sido procurada pelo até então secretário de Segurança Pública, Alexandre de Moraes (recém-nomeado ministro da Justiça pelo governo provisório de Michel Temer), para que fosse usado o conceito de autotutela, em que o Estado é o responsável pelos seus bens.

Depoimentos e imagens divulgadas por jornalistas e estudantes, no entanto, contrastam com a informação da SSP de que as desocupações foram pacíficas. Um vídeo divulgado pelos Jornalistas Livres, por exemplo, mostra a violenta condução dos estudantes para a viatura policial na Diretoria de Ensino Centro-Oeste.

Leia mais sobre o assunto

Ordens para a ‘máfia das merendas’ em SP saíram do Palácio dos Bandeirantes

Estudantes que pediam CPI da Merenda são retirados à força da Alesp

Pressão dos estudantes leva tucanos a avaliar criação de CPI da Merenda

Foto: O Mal Educado