ASSISTA
20 de Março de 2014, 17h09

MP defende libertação de PMs que arrastaram Cláudia da Silva Ferreira

Segundo o Ministério Público do Rio de Janeiro, o promotor se posicionou em defesa da soltura dos policiais no próprio auto de prisão em flagrante encaminhado à Auditoria de Justiça Militar Por Vitor Abdala, da Agência Brasil O promotor de Justiça Paulo Roberto Cunha atendeu a um pedido dos advogados dos três policiais militares presos […]

Segundo o Ministério Público do Rio de Janeiro, o promotor se posicionou em defesa da soltura dos policiais no próprio auto de prisão em flagrante encaminhado à Auditoria de Justiça Militar

Por Vitor Abdala, da Agência Brasil

O promotor de Justiça Paulo Roberto Cunha atendeu a um pedido dos advogados dos três policiais militares presos por erros no socorro a Claudia da Silva Ferreira, de 38 anos, no último domingo (16), e se manifestou a favor da libertação dos PMs. Segundo o Ministério Público do Rio de Janeiro, o promotor se posicionou em defesa da soltura dos policiais no próprio auto de prisão em flagrante encaminhado à Auditoria de Justiça Militar.

Os três policiais militares acusados de arrastar a auxiliar de serviços gerais Claudia Ferreira chegam para depoimento na delegacia de Madureira (Tomaz Silva/Agência Brasil)

Os três policiais militares acusados de arrastar a auxiliar de serviços gerais Claudia Ferreira chegam para depoimento na delegacia de Madureira (Tomaz Silva/Agência Brasil)

Como os três policiais foram presos em flagrante pelo comando do Batalhão de Rocha Miranda (9º BPM), o Ministério Público teria cinco dias para oferecer denúncia contra os policiais e mantê-los presos. O promotor Paulo Roberto Cunha considerou, no entanto, que as investigações ainda estão em curso e ainda não há elementos suficientes para o oferecimento da denúncia.

Caberá à Auditoria de Justiça Militar decidir sobre a libertação dos policiais militares. Claudia foi baleada no último domingo, durante uma operação policial. Ela foi socorrida pelos três policiais e colocada no porta-malas do carro. Durante o trajeto para o hospital, a porta abriu e ela foi arrastada por dezenas de metros. Claudia chegou morta ao hospital. O laudo do Instituto Médico-Legal apontou o ferimento do tiro como causa da morte.